Apagão da mão de obra: empresas do PR cogitam contratar motoristas estrangeiros

Apagão da mão de obra: empresas do PR cogitam contratar motoristas estrangeiros

Crescente desinteresse pela profissão de motorista de caminhão leva sindicato estadual a analisar novas estratégias para captar profissionais com urgência. Solução se parece com o programa Mais Médicos, em que o governo federal buscou profissionais em diversos países para suprir as necessidades de saúde da população

RodoLinea transfere fábrica para Jaguariaíva (PR)
Projeto de senadora poderá isentar caminhões de autônomos do IPI
Vipal gera conhecimento para gestores de frota

caminhao-falta-motoristas

Transporte é essencial para a vida? Pode não ser tão primordial como a presença de um médico em uma unidade hospitalar, mas é com esta prestação de serviço que todas as outras atividades humanas se tornam viáveis e abastecidas. Assim, não é exagero comparar o apagão de mão de obra do setor, com a falta de motoristas de caminhão, com a crise do setor de saúde brasileiro. A crônica falta de motoristas está gerando um efeito parecido com o programa Mais Médicos, do governo federal, que busca profissionais da saúde em outros países para atender às necessidades da população brasileira.

E é justamente isso que o SETCEPAR, Sindicato paranaense que representa as empresas de transporte rodoviário de cargas está considerando para fazer frente ao déficit de mais de cinco mil motoristas no Estado. A ação dos transportadores do Paraná se justifica pelo estado crítico em que se encontram algumas empresas associadas ao Sindicato, como conta o presidente, Gilberto Cantu: “Além da óbvia falta de infraestrutura e segurança nas estradas, o que mais chama atenção é que no passado o filho do motorista quase invariavelmente seguia a profissão do pai. Desde alguns anos atrás esse incentivo foi interrompido, acabou o estímulo. Aliado a isso, não houve por parte do setor um incentivo de captação de profissionais, ou seja, os órgãos relacionados não se atentaram a esse crescente desinteresse. Somente com essa alta demanda por mão-de-obra foi possível constatar o agravamento disso com clareza”, explica.

Sabendo que um motorista de caminhão leva algum tempo para se tornar apto e qualificado para exercer a profissão com total domínio, a entidade paranaense está enxergando a captação de mão-de-obra estrangeira como o recurso mais imediato, apesar de ainda estar em fase de experimentação.

“Até o final do ano nós devemos ter alguns profissionais de fora já adequados ao transporte rodoviário brasileiro. Estamos analisando cerca de 100 currículos de profissionais de países como Argentina, Colômbia e Paraguai, onde encontramos uma qualidade interessante”, explica Cantu. Nós pretendemos treinar os selecionados, cuidar de toda a parte burocrática e encaixá-lo em alguma empresa associada ao SETCEPAR. Então, primeiramente serão cerca de 20 profissionais”.

Captação e capacitação

O dirigente está otimista com a iniciativa e acredita que a contratação de estrangeiros possa valer também para outras entidades de outros estados que também carecem de mão-de-obra. Já sobre a desmotivação do brasileiro em relação à profissão de motorista de caminhão, Cantu ressalta o papel das entidades para atrair esses futuros profissionais.

“É necessário observar que essa é uma profissão que veio sendo valorizada. Atualmente temos salários que chegam a R$ 5 mil, então, nesse aspecto, é uma boa opção. Hoje, os veículos que o transportador conduz para as empresas têm um alto grau de conforto. Por outro lado, a pessoa tem que realmente gostar de viajar e saber que essa é uma profissão de risco”, pontua.

O SEST/SENAT vem trabalhando em cima desse aspecto ao fornecer cursos profissionalizantes para capacitar futuros profissionais. Por meio do Pronatec (Programana Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego), a entidade aperfeiçoou um curso de capacitação voltado para jovens com pouca experiência no volante ou para motoristas com experiência que não conhecem as novas tecnologias inseridas nos veículos.

A CNT (Confederação Nacional do Transporte) também lançou um curso para formação de motoristas ainda no ensino médio. A ideia é habilitar jovens que acabaram de completar 18 anos a dirigirem caminhões pequenos para após cinco anos estar apto a dirigir carretas e bitrens.

“Estamos passando por um período de transformação, e para esse problema de carência a solução mais viável pensando em longo prazo é qualificar o profissional desde cedo. A ideia é fazer com que o futuro transportador migre de veículos menores até chegar a transportar com segurança um grande caminhão, sempre com qualidade”, conclui Gilberto Cantu.

Parece pouco ainda, diante do déficit de motoristas que o Brasil tem atualmente. De acordo com as entidades do setor, o transporte rodoviário brasileiro tem cerca de 100 mil vagas de motoristas de caminhão abertas, sem candidatos para preencher. Pelo jeito, o setor vai precisar buscar uma verdadeira legião de motoristas estrangeiros. Será que a solução está neste exemplo do Paraná?

COMMENTS