Porto Chibatão (AM) passa a realizar operações 24 horas

Porto Chibatão (AM) passa a realizar operações 24 horas

Entre os serviços ininterruptos estão a movimentação de cargas, entrega de mercadorias desembaraçadas pela Receita Federal Brasileira e recebimento de cargas para exportação

Porto Chibatão (AM) passa a adotar agendamento eletrônico de caminhões
Terminal de Chibatão (AM) expande frota portuária com 309 novos veículos em seis meses
Porto Chibatão (AM) encerra 3º trimestre com 12% de crescimento

chibatao2012-2

O Porto Chibatão, localizado na zona Sul de Manaus (AM), já começou a operar oficialmente em 24 horas a partir de hoje (17/10). Os serviços prestados serão de movimentação de cargas nos armazéns e pátios, entrega de mercadorias desembaraçadas pela Receita Federal Brasileira e recebimento de cargas para exportação. O porto alfandegado, que faz parte do Grupo Chibatão, também passa a operar ininterruptamente na entrega e no recebimento de cargas de cabotagem (de outros portos brasileiros para Manaus), mercadorias de internação para empresas já habilitadas, cargas em trânsito aduaneiro e contêineres vazios.

O despacho aduaneiro de mercadorias importadas para exportação, para importação, sujeitas à internação e para trânsito aduaneiro passa a ser realizado de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e de 13h às 17h conforme determina a portaria do órgão federal.

Segundo o gestor do terminal, Jhony Fidelis, a previsão é que o volume total de cargas que mensalmente passa pelo porto – 25 mil TEUs em média – seja ampliada a médio e longo prazo.

“O planejamento do porto e dos armadores indica que a maior parte dos produtos previstos até o final do ano já estão definidos, principalmente porque estamos no auge da produção do PIM (Polo Industrial de Manaus) para o Natal. Salvo pequenas variações, provavelmente, não teremos neste primeiro momento acréscimo significativo no volume de cargas”, comenta.

Entre os reflexos imediatos, o Porto Chibatão abriu a temporada de contratações e prevê até o final do ano aumento de 14% no número de colaboradores apenas para atender as operações nos novos turnos de trabalho.

“Já temos a estrutura e tecnologia, que antes ficavam ociosas, mas precisamos reforçar nossos quadros principalmente de operadores de máquinas especiais, RTGs e de tratores portuários”, explica Fidelis.

COMMENTS