Sudene adquire 51,4% da Ferrovia Transnordestina

FDNE (Fundo de Desenvolvimento do Nordeste), que é administrado pela autarquia, bancará R$ 3,876 bilhões dos R$ 7,54 bilhões a serem gastos no projeto, que deve ser concluído em 2016

Fábrica da AmstedMaxion recebe certificação ambiental
Bombardier apresenta maquete em tamanho real do Monotrilho Leste
ALL finaliza primeira etapa da duplicação da ferrovia entre Campinas e Santos (SP)

CFN-Trem

A Sudene (Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste) passou a ter 51,4% da Ferrovia Transnordestina no novo acordo de acionistas e de investimentos assinado recentemente. Com isso, a linha férrea volta a ser estatal, embora seja uma concessão da empresa de nome homônimo, pertencente ao grupo da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional).

O FDNE (Fundo de Desenvolvimento do Nordeste), que é administrado pela autarquia, bancará R$ 3,876 bilhões dos R$ 7,54 bilhões a serem gastos no projeto. Antes do acordo, o fundo entraria com um aporte de R$ 2,672 bilhões.

O preço oficial da obra – em junho de 2006 – era de R$ 4,5 bilhões. O governo federal, além de injetar ainda mais dinheiro, prorrogou o prazo da concessão da ferrovia até 2057. Com isso, o custo da malha subiu para cerca de R$ 7 bilhões desde março deste ano. O prazo de conclusão da construção é 2016.

O restante da composição acionária do empreendimento é: 25% da antiga CFN (Companhia Ferroviária do Nordeste); 15% será bancado pelo FNE (Fundo Constitucional do Nordeste); 8% restantes serão de acionistas menores.

Com uma extensão de 1.728 quilômetros, a Transnordestina vai ligar a cidade de Eliseu Martins, no Piauí, aos portos de Pecém (no Ceará) e ao de Suape. A ideia principal do empreendimento é tornar mais barato o transporte dos grãos cultivados no Sul do Piauí, do gesso do Araripe e dos produtos do polo de fruticultura irrigada Petrolina-Juazeiro.

COMMENTS