Implementos rodoviários registram aumento de 6,89% nas vendas de janeiro a agosto

Implementos rodoviários registram aumento de 6,89% nas vendas de janeiro a agosto

No período de oito meses, a indústria do segmento produziu e entregou 116.354 unidades

Agricultores cadastrados no Mais Alimentos poderão financiar implementos com mais facilidade
Facchini comemora as boas vendas de 2019
Setor de implementos rodoviários cai 40,3% no 1º semestre de 2015

rossetti-cacamba

Em nota, a Anfir (Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários) informou que as vendas de implementos rodoviários de janeiro a agosto de 2013 foram 6,89% superiores ao mesmo volume do ano passado. Nos oito meses deste ano, a indústria produziu e entregou 116.354 unidades, ante 108.853 de 2012.

Os dois segmentos de produtos da indústria, Reboques e Semirreboques (Pesados) e Carroceria sobre Chassis (Leve), apresentaram desempenho alinhado com alguns índices divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para o PIB do segundo trimestre, que foi de 1,5%.

O setor Pesado registrou aumento de 30,35% nas vendas de janeiro a agosto de 2013, sobre igual período do ano passado. No segundo trimestre, agropecuária e indústria, segundo os dados do IBGE, puxaram o crescimento do PIB com 3,9% e 2% respectivamente de variação positiva.

Já no setor de Carroceria sobre Chassis, o resultado foi 4,06% negativo no mesmo período e em comparação a 2012. No levantamento do IBGE, o setor de serviços teve 0,8% de crescimento.

De acordo com os dados estatísticos completos do IBGE, no primeiro semestre de 2013, o PIB registrou alta de 2,6% e no acumulado de 12 meses, a economia expandiu 1,9%. Para Alcides Braga, presidente da Anfir, esses são sinais positivos que, junto com as atuais condições de financiamento oferecidas pelo BNDES no PSI/Finame, deverão se refletir positivamente nos negócios do setor.

“O PSI/Finame com a taxa fixa até o final do ano permite que o mercado se programe”, afirma. O programa teve início com taxa de juros de 3% de 1º de janeiro a 30/6 e passou em 1º de julho a 4% que vigorará até 31/12. “A fixação de duas taxas, uma para cada semestre, foi uma experiência bem sucedida”, ressalta.

COMMENTS