Governo de SP proibirá circulação de trem cargueiro nos trilhos da CPTM durante o dia

Decisão foi tomada um dia após acidente envolvendo um trem de carga e uma composição de passageiros da CPTM

Boeing converte três 767 em cargueiros para empresa americana
Etihad Cargo recebe três novos cargueiros e passa a operar em Viracopos (SP)
Rolls-Royce vai equipar navio norueguês com sistema avançado de manuseio de âncoras

locomotiva_mrs

O governo de São Paulo anunciou que suspenderá a circulação de trem de cargas nos trilhos da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) durante o dia. Nesta quinta-feira (19/9), o governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que vai notificar a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e a MRS Logística, empresa que opera na linha férrea, para que os trens cargueiros circulem apenas no período da noite.

Segundo o governador, o peso do transporte de cargas é enorme e é totalmente inadequado o compartilhamento de trilhos entre carga e passageiros.

De acordo com o governo estadual, a quantidade de carga transportada por mês, em média, é 2,9 milhões de toneladas bruta. Já os trens de passageiros chegam a transportar cerca de 2,6 milhões de passageiros por dia.

Decisão foi tomada um dia após um acidente envolvendo um cargueiro, que transportava bauxita, e uma composição de passageiros da CPTM, que deixou 13 pessoas feridas. O acidente aconteceu entre as estações Franco da Rocha e Baltazar Fidelis (Linha 7-Rubi), que liga a Estação da Luz a Francisco Morato.

Devido a um convênio feito com o governo federal, atualmente, as vias dos trens metropolitanos da CPTM são compartilhadas com os trens de carga. Os trens cargueiros podem circular na via em dois horários, considerados de menor movimento: das 10h às 15h e das 22h às 3h. A única linha em que os trens de carga não circulam é na Linha 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú). Nas demais cinco linhas, circulam cerca de 70 trens de carga por dia.

“Em 2016, encerra-se o convênio e nós não queremos mais o trem de carga. Já alertamos o governo federal sobre a necessidade de uma alternativa para o transporte de cargas em São Paulo”, disse o governador.

Com informações da Agência Brasil

COMMENTS