ANTAQ divulga estudo sobre transporte fluvial de passageiros da região amazônica

Análise traz o levantamento da demanda de passageiros e cargas, perfil socioeconômico dos usuários e análise dos terminais da região, entre outros dados

Lufthansa está otimista com operações em Manaus (AM)
Manaus (AM) quer restringir circulação de caminhões
Porto de Chibatão (AM) garante certificação ISO 9000 até 2015

antaq-estudo-fluvial

A ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) lançou na sexta-feira (16/8), em Manaus (AM), o estudo Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica. O estudo foi desenvolvido através de um termo de cooperação com a UFPA (Universidade Federal do Pará) e a FADESP (Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa), e traz o levantamento da demanda de passageiros e cargas, o perfil socioeconômico dos usuários e a análise dos terminais da região, entre outros dados.

O transporte fluvial na Amazônia movimenta 8,9 milhões de passageiros anualmente, aponta o estudo. Levando-se em conta a movimentação de cargas, circulam pela Região cerca de 4,5 milhões de toneladas por ano, somente em embarcações mistas (passageiros e cargas). A projeção para 2022 é que esse número alcance 5,1 milhões de toneladas.

Segundo o superintendente de Navegação Interior da ANTAQ, Adalberto Tokarski, o objetivo do estudo foi ter “uma fotografia real do transporte fluvial de passageiros em toda a Região Amazônica, e não apenas das linhas reguladas pela Agência”. Para tanto, o superintendente explicou que a ANTAQ também incluiu na pesquisa as linhas estaduais.

O estudo avaliou um total de 317 linhas, das quais 249 estaduais, de competência do órgão regulador estadual, 59 linhas interestaduais, fiscalizadas pela ANTAQ, e nove travessias. A pesquisa avaliou ainda 602 embarcações e 106 terminais, nos quatro estados amazônicos.

“Este estudo é da mais alta importância para a Região Amazônica, onde os rios são as estradas”, disse Tokarski, salientando que o levantamento pretende contribuir para formulação de políticas públicas na área da navegação fluvial de passageiros e auxiliar o governo federal na elaboração de novos estudos para o desenvolvimento sustentável da Região.

Em relação aos terminais, o estudo levantou desde as condições de acesso, como áreas específicas para paradas de ônibus e táxis, e áreas de atracação, até à existência de instalações e salas de embarque, como posto de atendimento médico e posto de polícia, serviço de carregadores e salas de administração, balcão de informações, boxes de venda de passagens, bancos e assentos, banheiros, telefones públicos, quadro de horário de saída e chegada de embarcações e lanchonetes.

O levantamento aponta que somente um terminal apresentou padrão elevado na prestação de serviços, dos 30 terminais avaliados no Estado do Amazonas. Em Belém, dos 59 terminais avaliados, 10% apresentaram um bom padrão de atendimento. Já no conjunto de terminais da Amazônia, apenas 3% apresentaram um bom padrão de atendimento, enquanto 10% registraram um padrão médio, e 87%, um baixo padrão de atendimento.

COMMENTS