Paranaguá e Antonina começam a operar com sistema eletrônico de pesagem

Unidades portuárias localizadas no Estado do Paraná passam a utilizar sistema virtual de monitoramento dos totais embarcados nas balanças de fluxo dos terminais interligados ao Complexo Corredor de Exportação

Portos paranaenses contaram com R$ 250 milhões em investimentos em 2013
Portos do Paraná deixarão de ser autarquias
DTA Engenharia vence licitações portuárias de mais de R$ 55 mi em SP e PR

porto-paranagua-antonina

A administração dos portos de Paranaguá e Antonina implantou um sistema de monitoramento, pela internet, dos totais embarcados nas balanças de fluxo dos terminais interligados a o Complexo Corredor de Exportação.

Desenvolvido por técnicos da Appa (Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina) e da Celepar (Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná), o sistema possibilita a checagem do estoque real de cada terminal e entrada e saída de carga, além acompanhar em simultaneamente a medição dos produtos que estão sendo embarcados nos navios e a recepção de carga nos terminais.

“O sistema nos permite saber quem está carregando, quanto está embarcando. Integramos também as balanças r odoviárias e agora temos a visão do estoque real de cada terminal. Isso nos permite fazer uma logística mais precisa, para poder adequar o recebimento da carga com a velocidade de embarques”, explica o superintendente Luiz Henrique Dividino.

Antes desta ferramenta, os estoques de cada terminal eram informados durante as reuniões de atracação, realizadas diariamente em Paranaguá. Com base nestes dados eram estabelecidas as quotas diárias de caminhões liberados para descarregar no porto, com como a programação dos navios.

“Agora, a informação que temos dos estoques passa a ser oficial e nos dará maior segurança na definição da logística de embarques e desembarques, garantindo giro maior de navios no Corredor de Exportação. Esta é mais uma importante etapa no processo de recuperação da credibilidade e imagem dos Portos do Paraná perante o mercado internacional”, afirma o secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

COMMENTS