Paralisação dos caminhoneiros ameaça cadeia agroalimentar de SC

Paralisação dos caminhoneiros ameaça cadeia agroalimentar de SC

Indústria de alimentos Aurora já prevê escassez e encarecimento de produtos região do grande oeste do Estado; produtores chegam a perder R$ 8 milhões por dia

DHL bate recorde no transporte de produtos perecíveis para exportação no Brasil
Estimativa de safra de soja no Brasil cai de 88,8 para 87 milhões de toneladas
Porto Seco de Uruguaiana recebe licença para operação de novos produtos

aurora-cadeia-greve

De acordo com o presidente da Coopercentral Aurora Alimentos, Mário Lanznaster, os alimentos na região do grande oeste de Santa Catarina vão escassear ou encarecer por conta da greve dos caminhoneiros.

A manifestação dos transportadores locais paralisou três unidades industriais no dia 1/7, e ameaça levar ao fechamento mais sete plantas nesta quarta-feira (3/7). Em nota, a diretoria da Aurora afirmou que não recrimina o movimento, mas reclama da falta de coordenação e da ausência de interlocutores, uma vez que os prejuízos já passam de R$ 8 milhões ao dia.

Lanznaster, o vice-presidente Neivor Canton e o diretor de agropecuária Marcos Antônio Zordan também informaram que a Aurora é a principal agroindústria brasileira prejudicada, “em razão do movimento se concentrar na região onde a cooperativa central mantém suas principais plantas industriais”.

Em consequência dos bloqueios erguidos em rodovias pelo movimento dos caminhoneiros, o fornecimento de rações nas propriedades rurais foi obstruído.

Produção ameaçada

Segundo a Aurora, sua base produtiva é formada por 25 milhões de aves e 950 mil suínos alojados em mais de 15 mil estabelecimentos, pertencentes a 4.050 criadores de suínos, 2.600 criadores de aves e 8.500 produtores de leite. Esse plantel necessita diariamente de 3.500 toneladas de rações para nutrição animal, e o alimento que não está mais chegando ao campo. A falta de nutrientes pode provocar canibalismo e alta mortalidade, especialmente entre aves.

Além disso, também não está chegando aos avicultores os 800 mil pintinhos por dia para reposição dos criatórios de aves.

O fornecimento de aves e de suínos aos frigoríficos e o fornecimento de leite in natura na indústria de lácteos de Pinhalzinho está obstruído. Por isso, estão paralisadas a unidade industrial de suínos de São Miguel do Oeste (abate de 1.900 animais por dia) e a unidade industrial de aves de Maravilha (abate de 145.000 frangos diariamente). Da mesma forma, parou a unidade industrial de rações de Cunha Porã.

Em razão dessa situação, foram temporariamente dispensados até agora mais de 2.500 trabalhadores.

De acordo com a direção da Aurora, estão ameaçadas de parar nas próximas 24 horas as unidades de Pinhalzinho (lácteos), Chapecó (suínos, três unidades), Xaxim (aves), Guatambu (aves) e Quilombo (aves).

Os grevistas não permitem a circulação de aves, pintinhos, suínos, leitões, leite in natura e outros insumos. Por isso, as indústrias não recebem aves e suínos adultos para abate, enquanto os produtores rurais permanecem com a produção estagnada.

Esse quadro é potencialmente gerador de prejuízos. Os produtores têm capacidade de armazenar na propriedade apenas dois dias de produção de leite. Depôs disso, terão de suspender a ordenha ou jogar leite fora. O prejuízo também atingirá os criadores de aves e suínos que deixarão ou já deixaram de receber da Aurora a alimentação para seus plantéis.

“Haverá uma descompensação geral da cadeia produtiva”, prevê o diretor de agropecuária Marcos Zordan.

COMMENTS