Tarifa de metrô e trem de SP sobe para R$ 3,20

Reajuste de 20 centavos é de 6,67%, menor que a inflação registrada no período de janeiro de 2012 a maio de 2013, segundo prefeitura de São Paulo

Roubo de cargas em SP cresce no 1º semestre de 2014
Gasolina passa por reajuste médio de 7,5% após aumento do PIS e Cofins
Governo quer novo imposto sobre combustíveis para custear transporte público

metro-tarifa-reajuste

A nova tarifa do Metrô e dos trens metropolitanos de São Paulo passa a valer a partir de hoje (3/6). A passagem foi reajustada em 20 centavos, passando de R$ 3,00 para R$ 3,20. Segundo a prefeitura de São Paulo, aumento é de 6,67%, menor que a inflação registrada no período de janeiro de 2012 a maio de 2013 (com a variação de maio estimada em 0,5%) que foi de 7,2%.

Por volta das 7h desta segunda-feira, ocorreu um protesto contra o aumento da tarifa e as condições do sistema de transporte da região na Estrada do M’Boi Mirim, na Zona Sul da capital paulista. A manifestação foi promovida pelo Movimento Passe Livre, grupo de abrangência nacional que protesta a favor da mobilidade urbana.
Desde 2008, a população local já realizou mais de dez protestos exigindo melhorias no transporte, como a duplicação da estrada até a divisa e a extensão da Linha 5 do Metrô até o Jardim Ângela, também na Zona Sul.

Possível paralisação

Paralelamente ao reajuste, os metroviários e ferroviários que operam o sistema em São Paulo decidem ainda hoje se entram em greve a partir da 0h de amanhã (4/6). Está marcado para as 15h, no TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 2ª Região, um encontro com representantes do Sindicato dos Metroviários de São Paulo e da Companhia do Metropolitano de São Paulo.

A greve estava prevista para acontecer à 0h da última terça-feira (28/5), mas foi adiada na segunda (27/5), pois o sindicato da categoria e o Metrô não chegaram a um acordo e esperam melhor proposta do Governo de São Paulo. Os trabalhadore s, porém, não descartaram uma paralisação, por isso um novo encontro acontece nesta segunda.

A categoria reivindica aumento real salarial de 14,6%, reajuste no vale-alimentação de R$ 218 para R$ 382,71 mensais, aumento de 24,3% no vale-refeição, plano de carreira e jornada de 36 horas.

COMMENTS