MAN testa caminhão híbrido para operar na coleta de lixo do Rio

Teste será realizado em parceria com a Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana); estima-se que modelo VW Constellation possa alcançar uma economia de até 15% no consumo de combustível

Polícia Rodoviária Federal autua 16 caminhões em blitz preventiva na Dutra (SP)
Grupo Mônaco inaugura concessionária de caminhões e ônibus em Ananindeua (PA)
ANTT apresenta cronograma de recadastramento do RNTRC

onibus-man-hibrido

A MAN Latin America, fabricante dos veículos comerciais MAN e Volkswagen, em parceria com a Comlurb (Companhia Municipal de Limpeza Urbana) testará nas ruas do Rio de Janeiro o primeiro caminhão híbrido a operar na coleta de lixo no Brasil. A expectativa é que o modelo VW Constellation alcance uma economia de até 15% no consumo de combustível.

O teste tem duração prevista de três meses. O veículo vai rodar em um turno nos arredores do estádio do Maracanã e será submetido a avaliações periódicas de sua performance e consumo.

O sistema adotado no protótipo VW Constellation 17.280 6×2 Híbrido traz para os caminhões brasileiros o mesmo conceito de recuperação da energia cinética (KERS) que é empregado nos carros da Fórmula 1. O sistema arm azena em acumuladores hidráulicos a energia coletada durante a frenagem, usando-a depois na partida.

O diferencial do híbrido da MAN Latin America em relação aos modelos que existem em outros países está no dispositivo de armazenagem de energia utilizado nesse veículo. Os outros sistemas utilizam baterias ou ultracapacitores, mas a empresa optou pelos acumuladores hidráulicos.

A MAN Latin America e a Comlurb vão trabalhar juntas para fazer frente ao programa criado pela prefeitura do Rio de Janeiro para reduzir as emissões de gases de efeito estufa na cidade com a Lei Municipal nº 5.248. Os veículos Volkswagen representam 90% da frota da Comlurb, que agora se amplia com a aquisição de 15 novos veículos para coleta seletiva. A Comlurb recolhe nove mil toneladas de lixo por dia, operando quase 700 caminhões.

COMMENTS