Estudo da Antaq analisa movimentação no transporte fluvial da Amazônia

Segundo pesquisa, meio de transporte movimenta 13,6 milhões de passageiros anualmente naquela região

Governo deve prorrogar por cinco anos isenção de frete no Nordeste e na Amazônia
Brasil distante: Norte impõe grandes desafios logísticos
ICMS cria cenário de turbulência na região Norte

antaq-estudo-fluvial

Foi divulgado no dia 20/6, na sede da CNT (Confederação Nacional do Transporte), em Brasília (DF), o estudo Caracterização da Oferta e da Demanda do Transporte Fluvial de Passageiros na Região Amazônica. Relatório aponta que o transporte fluvial da Amazônia, somando também as travessias, movimenta 13,6 milhões de passageiros por ano.

O trabalho foi desenvolvido pela Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários), por meio de um termo de cooperação com a UFPA (Universidade Federal do Pará) e a Fadesp (Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa).

“O estudo contribuirá para a formulação de políticas públicas voltadas ao desenvolvimento e ao fomento da navegação fluvial de passageiros”, disse Mário Povia, diretor da Antaq, que participou da mesa de abertura do evento.

Três levantamentos foram realizados em épocas distintas do ano. A movimentação anual de passageiros foi obtida observando a média das três análises. A primeira coleta de dados foi realizada entre janeiro e março de 2011; a segunda, no período de junho a agosto de 2011; e a terceira, entre setembro a novembro de 2012.

Conforme o levantamento, 50,9% dos passageiros são homens e 49,1%, mulheres. Em relação à faixa etária, 38,2% dos passageiros têm entre 18 e 30 anos; 24,8% (31 a 40); 17,8% (41 a 50); 10,8% (51 a 60); e 8,3% (61 a mais).

Os usuários do transporte fluvial na Região Amazônica que não tiveram acesso à educação formal ou que tendo frequentado a escola não foram além do ensino fundamental representam 38,7% do total. Do universo pesquisado, 41,2% estudaram até o ensino médio completo ou não, outros 12,8% chegaram ao nível superior e 2,1% declararam ser pós-graduados.

Em termos de renda familiar, 16,3% dos entrevistados ganham menos de um salário mínimo por mês; 38% entre um e dois; 19,5% entre mais de dois e três; 12,1% de três a cinco; e 8% ultrapassam os cinco salários mínimos mensais. 6,1% não quiseram informar a renda.
Em relação à movimentação de cargas, passam pela Região Amazônica cerca de 4,5 milhões de toneladas por ano. A projeção para 2022 é que esse número alcance 5,1 milhões de toneladas.

A área de abrangência do estudo compreendeu a Região Amazônica com foco nos principais estados geradores de fluxo fluvial: Pará, Amapá, Amazonas e Rondônia. Foram analisadas 317 linhas, sendo 249 no transporte longitudinal estadual; 59 no longitudinal interestadual; e nove na travessia. O total de embarcações cadastradas foi 602. No entanto, foram caracterizadas 446.

“O estudo não se limitou a analisar o transporte de passageiros regulados pela Antaq. A pesquisa abrange, também, linhas intermunicipais, identificando as embarcações em operação e as instalações portuárias utilizadas. Isso permitirá uma visão ampla e integrada do transporte fluvial de passageiros”, disse o superintendente de Navegação Interior da Antaq, Adalberto Tokarski.

O estudo analisou, ainda, 106 terminais hidroviários de passageiros, sendo um em Rondônia; 11 em Amapá; 30 no Amazonas; e 64 no Pará. De acordo com a pesquisa, 81% das instalações apresentaram padrão “baixo” de qualidade; 15%, “médio”; e 4%, “alto”.
Entre os critérios analisados estão: acessos, estacionamento de veículos, instalações, serviços, sala de embarque, área de atracação, entre outros.

COMMENTS