Proposta que evita autuação por excesso de carga baseada no peso por eixo é rejeitada

Projeto de Lei não foi aprovado pela Comissão de Viação e Transportes; caso o texto fosse aprovado, a fiscalização só seria permitida quando ocorresse excesso no peso bruto total

NC2 realiza primeira venda para cliente brasileiro
Grupo Volvo inaugura base de operações em Lima, no Peru
Iveco faz grande venda de caminhões movidos a gás na Argentina

caminhao-velho-rj

O Projeto de Lei 4236/12, do deputado Ratinho Júnior (PSC-PR), foi rejeitado na última quarta-feira (17/4) pela Comissão de Viação e Transportes. A proposta tem como finalidade impedir a autuação por excesso de carga transportada baseada apenas no peso por eixo dos veículos. Com a aprovação do texto, a vistoria só seria permitida quando ocorresse excesso no peso bruto total.

Segundo o autor, os transportadores de carga são punidos injustamente quando a aferição é feita a partir do peso entre os eixos do caminhão, já que há possibilidade de movimentação da carga durante o transporte. Já o relator, deputado Mauro Lopes (PMDB-MG), argumenta que o excesso de peso por eixo ajuda a acelerar o desgaste das rodovias e por isso deve ser coibido.

“Especialistas em engenharia rodoviária são unânimes em apontar o excesso de peso dos veículos – especialmente o excesso de peso por eixo – como um dos principais fatores que contribuem para a redução da vida útil dos pavimentos rodoviários. A relação entre o aumento da carga por eixo e o desgaste do pavimento é exponencial”, disse Lopes.

Como o projeto tramita de forma conclusiva e foi rejeitado na única comissão de mérito, ele será arquivado, porém a decisão é passível de recurso.

Com informações da Agência Câmara

COMMENTS