Polícia Federal desmantela quadrilha de roubo de caminhões em SP

Polícia Federal desmantela quadrilha de roubo de caminhões em SP

PF cumpriu sete mandados de prisão e dez de busca e apreensão em São Paulo, Guarulhos, Arujá, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes. Grupo criminoso roubou dezenas de caminhões nas Marginais Tietê e Pinheiros nos últimos meses

ANTT recadastrou quase 1,3 milhão de transportadores
Volkswagen oferece transmissão Traxon para linha Constellation
Governo prorroga linha especial de financiamento de caminhões

policia-federal

A Polícia Federal de São Paulo realizou na semana passada, na Grande São Paulo, a “Operação Strike”, para a desarticulação de quadrilha responsável pelo roubo de caminhões nos últimos nove meses. Foram cumpridos sete mandados de prisão e dez mandados de busca e apreensão em São Paulo, Guarulhos, Arujá, Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes, além da retenção de 23 veículos.

Ao longo das investigações, a Polícia Federal conseguiu identificar dezenas de vítimas, que relataram terem sido ameaçadas durante os momentos em que foram mantidas reféns e ameaçadas para que não reconhecessem os criminosos. Foram instaurados 19 inquéritos policiais para apuração de 27 crimes de roubos, sequestros e formação de quadrilha. As penas, somadas, variam entre seis e 16 anos de prisão para cada um dos 27 crimes.

Estratégia criminosa

As Marginais Tietê e Pinheiros, localizadas na capital paulista, são os locais onde há maior frequência de infrações. Os crimes são praticados durante a noite, após o horário de restrição ao tráfego de caminhões. De acordo com as investigações, os bandidos usavam pelo menos três automóveis e se faziam passar por cidadãos prestativos, alertando os motoristas sobre problemas inexistentes com o caminhão.

O motorista parava o veículo na pista para checar o suposto dano e em seguida era abordado. Em algumas ocasiões, os ladrões se passavam por falsos policiais. Instalavam uma luz intermitente no capô dos veículos e simulavam uma blitz, obrigando os caminhoneiros a parar.

Após o roubo, os ladrões colocavam as vítimas em um carro e as levavam para um cativeiro, onde permaneciam até a manhã do dia seguinte. O sequestro evitava que os motoristas informem a Polícia ou as empresas seguradoras e de rastreamento, que podem bloquear o funcionamento dos caminhões. Horas depois, o veículo já opera com jammers, impossibilitando sua localização.

As vítimas de roubos similares e que tiverem condições de identificar os criminosos podem procurar a Polícia Federal em São Paulo para a realização de reconhecimento fotográfico. O contato da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio da Polícia Federal de São Paulo é (11) 3538-5670.

COMMENTS