Santo André (SP) vai testar semáforos com nobreak

Departamento de Segurança e Trânsito da cidade realizará a instalação dos equipamentos em dois pontos. Testes vão durar 60 dias e visam a utilização dos sinais sem interrupção, caso haja queda de energia ou problemas devido às chuvas

Scania fecha venda de chassis de ônibus para empresa de transporte coletivo do ABC paulista
Mercedes-Benz promove projetos sociais no ABC Paulista
Primeiras vigas do viaduto que marca início do Trecho Leste do Rodoanel foram lançadas

A prefeitura de Santo André (SP), na região do ABC, anunciou que seu Departamento de Trânsito vai fazer 60 dias de testes com semáforos com nobreaks, equipamentos mantêm a alimentação de energia mesmo com a queda no fornecimento da rede elétrica, muito comum nos dias de chuvas.

Os semáforos novos serão instalados em dois cruzamentos de grande circulação e permanecerão em teste durante 60 dias.
Os pontos onde serão instaladas ainda estão em estudo. De acordo com a prefeitura, Santo André tem 250 cruzamentos semaforizados e, segundo o diretor do Departamento de Segurança e Trânsito, Epeus Pinto Monteiro, as vias com maior fluxo de veículos e de transporte coletivo estão entre as principais a receberem os equipamentos. “Nas últimas chuvas que tivemos, vias como Dom Pedro II, Ramiro Coleoni, Coronel Alfredo Fláquer e Siqueira Campos tiveram problemas de semáforos apagados. Um dos pontos mais críticos é o cruzamento das avenidas XV de Novembro e José Amazonas”, diz.

FUNCIONAMENTO – O nobreak é um equipamento acoplado nas caixas semafóricas, próximo ao controlador. Funciona com bateria recarregável no próprio semáforo. Em caso de queda de energia, entra em ação, deixando os semáforos em funcionamento.

A bateria de um nobreak tem durabilidade que varia de quatro meses a quatro anos e o equipamento pode ficar em funcionamento até 4h30. O custo varia de R$ 2 mil a R$ 10 mil. No entanto, para ser instalado é necessário que conjunto semafórico possua algumas condições técnicas, como lâmpadas LED que consomem menos energia.

COMMENTS