Contran não quer blitze educativas para motofrete

Para Conselho Nacional de Trânsito, curso obrigatório está vigente e profissionais devem se preparar para prestar os serviços de transporte por motocicletas. Órgão rejeitou a sugestão da AND (Associação Nacional dos Detrans) para adiar fiscalização por 12 meses

Radares só aplicarão multas se velocidade for exibida ao condutor
Ministério da Saúde pede revisão de norma que obriga motorista a fazer exame toxicológico
Lei dos motoristas entra em vigor dia 11 de setembro

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) rejeitou esta semana uma proposta da AND (Associação Nacional dos Detrans) para adiar a fiscalização do curso obrigatório e das novas regras para o motofrete. A Associação queria que, por um período de 12 meses, a fiscalização fosse realizada de forma educativa, sem punições.

Em um encontro realizado nesta quarta (20), o órgão, ligado ao Ministério das Cidades, negou o pedido de alguns Detrans para adiar a fiscalização. Os departamentos estaduais alegam que, em alguns Estados, os profissionais da motocicleta terão dificuldades em cumprir as novas regras e estão solidários a estes trabalhadores.

De acordo com a Resolução 410 do Contran,válida para todo o país, quem utiliza motocicleta para fins profissionais deve adequar o veículo, acrescentando equipamentos como antena corta-pipa, protetor de pernas e motor, faixas refletivas no capacete, entre outros itens. Os condutores também precisam usar colete com faixas refletivas e fazer curso especializado.

Quando a fiscalização punitiva começar, os profissionais que não cumprirem as novas regras estarão sujeitos às penalidades e às medidas administrativas previstas nos artigos 230, 231,232 e 244 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), entre as quais multa no valor de R$ 191,54, apreensão da motocicleta e até mesmo a suspensão da CNH, dependendo da infração cometida.

COMMENTS