Sem Balsa, caminhoneiros estão ilhados no Paraguai há 10 dias

Sem Balsa, caminhoneiros estão ilhados no Paraguai há 10 dias

Baixo nível do Rio Paraná impede a travessia, que deverá ser feita por operação comboio por Mundo Novo (MS), onde não existe aduana, até chegar a Guaíra (PR) pela ponte Ayrton Senna. Caminhoneiros passaram o Réveillon nos caminhões

Túnel que ligará Santos ao Guarujá terá pedágio
Estiagem prejudica transporte de combustível para RO, AM e MT
ICMS cria cenário de turbulência na região Norte

A balsa utilizada para o transporte de grãos do Paraguai para o Brasil está parada há dez dias por causa da seca e do baixo nível do rio Paraná, que demarca a fronteira entre os dois países. Dezenas de caminhoneiros brasileiros ficaram “ilhados” no Paraguai. Alguns passaram o Réveillon nos caminhões, onde estão até hoje.

A travessia de balsa entre Salto Del Guairá (Paraguai) e  (Brasil) é o único caminho até a aduana do lado brasileiro da fronteira, onde é feita a liberação das cargas.

Os veículos estão carregados de grãos produzidos no Paraguai que serão vendidos no Brasil e exportados pelo porto de Paranaguá (PR).

Na tarde da última sexta-feira (04), no pátio alfandegário do lado paraguaio, 126 caminhoneiros aguardavam uma solução para o problema e reclamavam do prejuízo por causa do tempo parado.

O gaúcho Antonio Guerino Comin, 67, que viaja acompanhado da mulher Leonilda Damian Comin, 64, chegou na manhã do dia 26 de dezembro, fez todos os procedimentos necessários do lado do Paraguai, mas não conseguiu atravessar o rio.

O casal, que havia programado passar a virada de ano com familiares em Caxias do Sul (RS), teve de se contentar em celebrar a chegada do novo ano dentro do caminhão. “O nosso plano era descarregar em Chapecó e ir para casa. A gente tem filhos e netos. Eles passaram [o ano novo] sozinhos lá e nós, sozinhos aqui”, diz Leonilda.

Em alguns pontos do reservatório do Lago de Itaipu, também localizado na fronteira, a água se afastou mais de 50 metros da margem. Com o baixo nível de água, troncos de árvores e construções antigas, antes submersas, apareceram, impedindo a navegação com segurança.

O problema, no entanto, deve começar a ser resolvido a partir de hoje (07), após um acordo entre a Receita Federal e as transportadoras. Os caminhoneiros deverão deixar o Paraguai por Mundo Novo (MS), onde não existe aduana, até chegar a Guaíra (PR) pela ponte Ayrton Senna, que passa sobre o rio.

Policiais escoltarão os motoristas em comboios de até 30 caminhões até a aduana, onde a carga será avaliada.

Crise na fronteira

O Sistema de Comércio Exterior (Siscomex), que gerencia e libera as importações e exportações na fronteira com Paraguai e Argentina, ficou fora do ar por quatro dias, entre 31 de dezembro e 03 de janeiro deste ano, impedindo que mercadorias em caminhões cruzassem a fronteira.

Pelo menos 800 caminhões estavam parados no pátio da estação aduaneira de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, e mais 100 motoristas aguardavam no lado de fora.

COMMENTS