Obras do Rodoanel Norte em SP vão atrasar pelo menos 2 anos

Obras do Rodoanel Norte em SP vão atrasar pelo menos 2 anos

Após divergências entre a Dersa e o Banco Interamericano de Desenvolvimento nas regras da licitação, o sistema só deve iniciar as operações em 2016. Entrega da rodovia estava inicialmente prevista para 2014

Licitação das obras do Rodoanel Norte (SP) tem 25 empresas na disputa
Novo atracadouro para a travessia Santos-Guarujá (SP) deverá estar concluído hoje
Obras da Nova Tamoios revelam sítio arqueológico em Paraibuna (SP)

A Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), após resolver uma série de falhas que atrasaram a licitação para o Trecho Norte do Rodoanel de São Paulo, prometeu anunciar hoje (14) o resultado do processo e assinar, ainda neste mês, os contratos para a construção dos 47 km de rodovias. Mesmo assim, o prazo para entrega da obra foi estendido por quase dois anos e só deve ficar pronta em janeiro de 2016.

Esse processo deveria ter sido concluído em dezembro, mas o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) identificou falhas na forma como a Dersa classificou os 18 consórcios de empresas que estão participando da disputa.

A promessa inicial de entregar as pistas era novembro de 2014. No ano passado, a licitação enfrentou 11 processos na Justiça e nos Tribunais de Contas do Estado e da União, o que já havia parado o processo por seis meses. Agora, com os problemas com o banco, a pista não será mais entregue até o fim do atual mandato do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

O BID vai emprestar cerca de R$ 2 bilhões para o projeto, um terço do valor total estimado para a obra, que é de R$ 6 bilhões.

O teor das falhas encontradas pelo BID não pode ser divulgado por questões contratuais, segundo o presidente da Dersa, Laurence Lourenço. “São divergências na forma como a Dersa faz a análise das propostas comerciais apresentadas pelos consórcios e a maneira como o BID faz”, afirma. Ele promete divulgar todo o processo, com os relatórios das falhas encontradas, assim que o processo da licitação estiver concluído e os contratos para a obra, assinados.

A divergência, ainda segundo Lourenço, ocorreu porque a Dersa fez a desclassificação dos grupos, e a qualificação das empresas vencedoras do certame, segundo critérios que seguem a Lei de Licitações (lei federal 8.666): quando há alguma falha nas planilhas de custos apresentadas por um grupo, ele é desclassificado.

Pelos parâmetros do banco, eventuais falhas encontradas nas planilhas de custos devem ser comunicadas ao grupo autor da proposta e o erro pode ser corrigido, isso desde que o consórcio concorde com as mudanças e isso não altere o preço final da proposta. Foram essas idas e vindas de dados que acabaram atrasando a liberação da licitação, segundo o presidente.

COMMENTS