Multas para caminhões são as que mais crescem em São Paulo

Multas para caminhões são as que mais crescem em São Paulo

Veículos de carga puxaram a alta de 4,7% do total de autuações em 2012, agravando o impacto econômico e burocrático nos transportadores. Caminhões têm recebido tantas multas que sindicato das transportadoras criou setor especifico para o assunto

Impostômetro já registra R$ 400 bilhões em arrecadações
Impostômetro registra marca de R$ 1,4 trilhão arrecadado
Arrecadação com IPVA ultrapassou os R$ 26 bi em 2012

Enquanto o volume de multas aplicadas aos carros e motos caiu em 2012 em São Paulo, os caminhões foram responsáveis por uma alta de 4,7% do total de autuações em relação ao ano anterior.

O total de multas no ano chegou a quase 10 milhões. Dessas, 400 mil são referentes a infrações exclusivamente praticadas por caminhões, como o desrespeito às restrições de circulação.

Apesar do crescimento total, apenas três dos 12 tipos de multas divulgados pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) tiveram alta.

Dois deles estão relacionados aos caminhões: veículos de carga em horário ou local proibidos (aumento de 38,6%) e deixar de conservar o veículo na faixa a ele destinada (acréscimo de 25%).

A CET não detalha em seu balanço o tipo de veículo multado, mas no desrespeito à faixa estão incluídos principalmente caminhões que violam a sinalização exigindo que se mantenha à direita.

O terceiro item que subiu foi a invasão à faixa exclusiva de ônibus, com 2,5%, esta mais comum entre outros veículos.

Melhor comportamento

As multas por desrespeito à velocidade, que caíram 3,9% em relação a 2011, continuam sendo a principal infração, quase um terço do total.

Porém, segundo avaliação da CET, “os motoristas estão se comportando melhor no trânsito”, já que, além da velocidade, também caíram as multas por desrespeito ao rodízio.

Sobre o crescimento das multas, a CET diz que os radares foram aprimorados nos últimos anos, o que permitiu mais qualidade de imagens e menor descarte das autuações.

Impacto no transportador

“Ninguém aguenta mais tanta multa”, desabafa o empresário Manoel Sousa Lima Jr., presidente do SETCESP (Sindicato Empresa de Transporte de Cargas de São Paulo e Região).

Ele afirma que os caminhões têm recebido tantas autuações que foi criado um setor específico na entidade para os recursos.

Os advogados fazem uma triagem e descartam as multas com menos chances de vitória, mas mesmo assim o volume sobrecarrega os funcionários. “É coisa de 50, cem por dia”, afirma.

Para o presidente, além do aperto na fiscalização, dois motivos explicam o alto número de multas.

Primeiro, há motoristas de fora que ainda não conhecem todas as restrições em vigor na cidade. Em segundo lugar, veículos incluídos nas exceções às regras que, mesmo liberados pela CET, são multados.

“Eles multam e depois pedem para recorrer. Acho que falta um sistema adequado para checar se o veículo está liberado.”

Arrecadação

A arrecadação com multas de trânsito, de acordo com o que prevê o Orçamento aprovado para 2013, será de R$ 925 milhões.

“O dinheiro deveria ser investido na redução de acidentes de trânsito e no aumento da fiscalização, o que não acontece hoje”, diz o consultor Horário Figueira. Para ele, multas privilegiam a fluidez.

COMMENTS