Minas Gerais formaliza programa de recuperação da malha aeroportuária

Objetivo do ProAero é viabilizar para que todas as cidades do estado tenham acesso a um aeroporto regional ou local, por meio de rodovia pavimentada, a uma distância máxima de 100 quilômetros

Controle de tráfego aéreo via IP passa a ser aplicado em operações no Brasil
Infraero divulga ranking de eficiência logística de agosto
ATR entregará aeronave cor-de-rosa à Azul para promover combate ao câncer de mama

As licitações para a construção do aeroporto de Itajubá, no Sul de Minas, e para a reforma do aeroporto de Patos de Minas, no Alto Paranaíba, foram confirmadas após a liberação de R$ 235 milhões para a melhoria da malha aeroportuária de Minas Gerais, anunciada pelo governador Antonio Anastasia no início do mês.

Os investimentos deram início à segunda etapa do Programa Aeroportuário do Estado de Minas Gerais (ProAero), da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), com a contratação dos serviços sob responsabilidade do Departamento de Obras Públicas (DEOP-MG).

Itajubá foi contemplada com a construção de aeroporto que irá atender a aviação regular para aeronaves com capacidade para até 50 passageiros, construção de pista de pouso de 1400 x 30m, taxiway, pátio de estacionamento de aeronaves, terminal de passageiros, seção de combate a incêndio, sinalização horizontal, balizamento noturno, cerca da área patrimonial e acesso ao aeroporto. Os investimentos somam R$ 100 milhões.

No Alto Paranaíba, o aeroporto de Patos de Minas receberá reforma e melhorias na pista de pouso e decolagem e no pátio de aeronaves, e construção de seção de combate a incêndio, com recursos da ordem de R$ 6 milhões.

De acordo com o secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Carlos Melles, a meta do ProAero é promover a adequação, ampliação, melhoria e revitalização da malha aeroportuária do Estado. “Nosso objetivo é que todas as cidades de Minas Gerais tenham acesso a um aeroporto regional ou local, por meio de rodovia pavimentada, a uma distância máxima de 100 quilômetros”, destacou.

Dos novos investimentos, R$ 100 milhões terão como fonte o Banco do Brasil e R$ 127 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O restante, cerca de R$ 8 milhões, será aportado por meio do Programa Federal de Auxílio a Aeroportos (PROFAA), vinculado à Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República. O valor de R$ 8 milhões já inclui 20% de contrapartida do Estado.

COMMENTS