Mercedes, Ford e Nissan vão ampliar fabricação de veículos no Brasil

Empresas irão montar carros globais nas unidades brasileiras. Presidente da montadora alemã critica regime automotivo do governo brasileiro e aponta protecionismo

Soprano lança cilindro hidráulico na 18ª Fenatran
Prefeitura de São Paulo suspende inspeção veicular por tempo indeterminado
Para construir em SP, empreiteiras terão que pagar por obras de trânsito

A Mercedes-Benz pode voltar a produzir carros de passeio no Brasil, compartilhando a fábrica que a Nissan-Renaut está construindo em Resende (RJ), afirmou o CEO da montadora, Dieter Zetsche, ontem, durante o Salão do Automóvel de Detroit, nos Estados Unidos.

Ele destacou, porém, que essa é uma possibilidade, mas que não há data para tomar uma decisão.

Zetsche também não adiantou qual modelo poderia ser produzido no Brasil, mas deixou claro que a montadora não repetiria o que ele chamou de “erro de estratégia” cometido com o Classe A, que era produzido em Juiz de Fora, na Zona da Mata, mas que nunca chegou a deslanchar no mercado nacional.

O executivo disse que, na época, houve um erro de avaliação tanto dos custos de se produzir no Brasil, quanto do poder de compra dos brasileiros e que esses erros não seriam cometidos novamente.

A possibilidade de voltar a produzir veículos leves no Brasil está em discussão em razão do novo regime automotivo, o Inovar Auto, que impõe restrições aos carros importados. Zetsche disse que a empresa ainda espera que o governo leve em consideração sua presença no país e a produção de caminhões da unidade mineira.

Zetsche ainda criticou medidas protecionistas como as que o Brasil está adotando em relação aos carros importados. “Pode funcionar só no curto prazo, como reação a crise. No longo prazo, a tendência é que o país perca competitividade”, disse.

Outra que mira o Brasil é a Ford. A montadora norte-americana vai fabricar no país o Novo Fiesta Hatch a partir de abril. O modelo, que atualmente é importado do México, será produzido na fábrica de São Bernardo do Campo (SP).

A montadora investiu R$ 800 milhões para preparar a fábrica para produzir um carro global. A Ford não informou se haverá contratações.

Outra que pretende ampliar o leque de produção no país é a Nissan. A montadora nem terminou a fábrica de Resende (RJ), prevista para 2014, e já dá sinais de que vai fabricar mais do que os já anunciados Versa e Match. O Note foi lançado ontem em Detroit e deve integrar o portfólio da fábrica brasileira a partir do ano que vem.

COMMENTS