Grupo Protege aposta no crescimento do mercado e inicia novas operações

Empresa fará a compra de 25 caminhões blindados nos próximos dois anos. Cada operação vai transportar até R$ 10 milhões em insumos, eletroeletrônicos, artigos de luxo, entre outros

Prosegur e Scania fecham parceria para transporte de cargas especiais em carretas blindadas
Empresas investem no transporte blindado para vencer roubo
Novo Caveirão do BOPE virá da África do Sul

O Grupo Protege, especializado no transporte de dinheiro, anunciou a entrada no segmento de transporte de cargas valiosas com a solução Carga Segura, serviço criado para assegurar a integridade no transporte de insumos, eletroeletrônicos, artigos de luxo, entre outros.

De acordo com empresa, o serviço proporcionará a capacidade de transporte de até R$ 10 milhões em produtos em um caminhão blindado, evitando o espaço ocioso recorrente em caminhões com escolta.

Todos os caminhões serão tripulados por uma equipe de quatro vigilantes armados e treinados, dispensando a necessidade de um veículo de escolta. Os veículos apresentam também um sistema de abertura e travamento das portas e rastreamento, comandado pela central de monitoramento da Protege.

Mario Baptista de Oliveira, diretor-geral do Grupo Protege, conta que a empresa transporta dinheiro há mais de 40 anos e essa expertise é fundamental para o novo serviço. “Se transportamos dinheiro de forma segura, podemos carregar qualquer produto”, analisa. Segundo ele, o grupo estima investir R$ 10 milhões para ter frota de 25 caminhões em dois anos.

O ingresso do Protege nesse segmento nasceu de uma negociação com um dos atuais clientes da companhia, que transporta insumos nas redondezas de Campinas (SP).

Mercado

De acordo com a pesquisa do Instituto de Logística e Supply Chain (ILOS), o mercado de transporte de cargas de alto valor agregado está em expansão. Uma das principais consequências é o volume de ocorrências de roubos e furtos de cargas no Brasil, que registrou um aumento cerca de 23% entre 1999 e 2010. Desse montante, 80% são de ocorrências oriundas da região Sudeste (56% registradas em São Paulo e 20% no Rio de Janeiro). Um prejuízo de aproximadamente R$ 8,1 bilhões à indústria no período.

COMMENTS