Após operação da Polícia Federal, diretor da Antaq pede demissão

Exoneração ocorreu após a divulgação de uma lista de indiciamentos da Operação Porto Seguro que investiga servidores de órgãos federais e agências reguladoras que fraudavam pareceres técnicos para favorecer interesses privados

Antaq aprova investimento de R$ 543 milhões para o Porto do RJ
Portos e terminais de uso privativo registram número recorde em movimentação em 2010
Estudo da Antaq analisa movimentação no transporte fluvial da Amazônia

O diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários(Antaq), Tiago Pereira Lima, teve a exoneração publicada no Diário Oficial da União na última segunda-feira (10). De acordo com o ato do Poder Executivo que o afastou do cargo, a demissão foi a pedido do próprio executivo.

Na última sexta-feira, a Polícia Federal informou que a lista de indiciamentos da Operação Porto Seguro tinha aumentado, com a inclusão de um diretor e uma servidora da Antaq. Apesar de não ter divulgado os nomes dos novos suspeitos, a PF disse por meio de nota que havia chegado a eles por informações adicionais de depoimentos e análises de documentos apreendidos. O inquérito da operação já foi concluído e enviado à Justiça Federal em São Paulo.

A Operação Porto Seguro foi deflagrada em 23 de novembro para prender servidores de órgãos federais e agências reguladoras que fraudavam pareceres técnicos para favorecer interesses privados. Nesse dia, seis pessoas foram presas e 19 mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é levada à polícia para ser ouvida e depois liberada) foram cumpridos. Também foram cumpridos 43 mandados de busca e apreensão, tanto em Brasília quanto em São Paulo.

No total, 23 pessoas foram indiciadas e poderão responder por corrupção ativa, corrupção passiva, formação de quadrilha, tráfico de influência, violação de sigilo funcional, falsidade ideológica e falsificação de documento particular. As penas variam entre dois e 12 anos de prisão.

COMMENTS