Após operação da Polícia Federal, diretor da Antaq pede demissão

Exoneração ocorreu após a divulgação de uma lista de indiciamentos da Operação Porto Seguro que investiga servidores de órgãos federais e agências reguladoras que fraudavam pareceres técnicos para favorecer interesses privados

Antaq divulga estudo sobre transporte fluvial de passageiros na Amazônia
ANTAQ define regras sobre fiscalização da prestação de serviços portuários
Terminal de Contêineres de Paranaguá (PR) anuncia plano de investimento de R$ 1,1 bi

O diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários(Antaq), Tiago Pereira Lima, teve a exoneração publicada no Diário Oficial da União na última segunda-feira (10). De acordo com o ato do Poder Executivo que o afastou do cargo, a demissão foi a pedido do próprio executivo.

Na última sexta-feira, a Polícia Federal informou que a lista de indiciamentos da Operação Porto Seguro tinha aumentado, com a inclusão de um diretor e uma servidora da Antaq. Apesar de não ter divulgado os nomes dos novos suspeitos, a PF disse por meio de nota que havia chegado a eles por informações adicionais de depoimentos e análises de documentos apreendidos. O inquérito da operação já foi concluído e enviado à Justiça Federal em São Paulo.

A Operação Porto Seguro foi deflagrada em 23 de novembro para prender servidores de órgãos federais e agências reguladoras que fraudavam pareceres técnicos para favorecer interesses privados. Nesse dia, seis pessoas foram presas e 19 mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é levada à polícia para ser ouvida e depois liberada) foram cumpridos. Também foram cumpridos 43 mandados de busca e apreensão, tanto em Brasília quanto em São Paulo.

No total, 23 pessoas foram indiciadas e poderão responder por corrupção ativa, corrupção passiva, formação de quadrilha, tráfico de influência, violação de sigilo funcional, falsidade ideológica e falsificação de documento particular. As penas variam entre dois e 12 anos de prisão.

COMMENTS