Roubos a transportadoras de valores financiam crimes

Nos últimos seis anos, dos R$ 107,5 milhões levados no Estado de SP, só R$ 2,4 milhões foram recuperados

Latam e governo concluem megaoperação aérea contra o Coronavírus
GOL e TAM retomam voos para Argentina e Uruguai
CNT inicia Pesquisa de Rodovias deste ano

Um levantamento feito pela ABTV (Associação Brasileira de Transporte de Valores) apontou que, nos últimos seis anos, foram levados de empresas de transporte de valores R$ 107,5 milhões apenas no estado de São Paulo, dos quais apenas R$ 2,4 milhões foram recuperados.

O levantamento foi entregue ao deputado estadual Major Olímpio (PDT), ex-oficial da Polícia Militar, que indicou que o dinheiro ajuda a financiar o crime organizado.

Dos R$ 165,4 milhões roubados de empresas de transporte de valores do país nos últimos três anos, 47% foram levados em assaltos a carros-fortes em São Paulo. O que intriga as empresas é o fato de que a maior parte do dinheiro acondicionado em sacos de lona não é recuperada, mesmo quando a polícia alcança a quadrilha.

Mais da metade de todo o dinheiro roubado da Prosegur (presente em 15 países) no mundo é de ocorrências no Brasil. “É muito dinheiro e ele está financiado o crime organizado, com compra de armas e drogas”, diz Major Olímpio.

“A polícia diz que há funcionários das empresas envolvidos. As empresas queixam-se da morosidade das investigações”, afirma o deputado.

De 2009 a 2012, seis vigilantes de empresas foram mortos e 22 ficaram feridos em assaltos. No último dia 14, uma quadrilha cavou túnel e invadiu a empresa Protege, em Santo Amaro, na Zona Sul de São Paulo. O alarme soou e o assalto foi frustrado pela polícia, mas R$ 700 mil desapareceram. “Você imagina R$ 700 mil perdidos no esgoto?”, ironiza o Major.

COMMENTS