Regras para transporte por balsas podem mudar

Governo quer implementar o sistema de licitação da exploração do transporte hidroviário para estimular a concorrência e aumentar a qualidade dos serviços

Antaq deverá publicar edital com 143 vagas até meados de julho
Movimentação no setor portuário brasileiro chega a 479 milhões de toneladas no 1º semestre de 2015
Portos e terminais de uso privativo registram número recorde em movimentação em 2010

A Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados aprovou um projeto que condiciona o transporte de pessoas, veículos e mercadorias por balsas à permissão do Poder Público, e não mais à autorização, como é atualmente.

Pela proposta do deputado Moreira Mendes (PSD-RO), a regra será válida apenas para o transporte de conexão entre margens de rios, baías, lagoas e outros cursos d’água.

Para o relator, deputado Diego Andrade (PSD-MG), a permissão se aplica melhor a esse tipo de transportes. “Esse instrumento admite, entre outras vantagens, que a União possa rescindir o contrato sem indenização ao permissionário, quando no local da travessia for construída uma ligação através de ponte”, explica. Além disso, no caso de permissão, há exigência de processo licitatório, ao contrário da autorização.

Regras claras

Hoje, conforme explica Andrade, a autorização para a prestação do serviço de travessia por balsas é concedida pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Como consequência, “a inexistência de sistema concorrencial e a falta de regras claras para o funcionamento das operações acarreta queda na qualidade dos serviços, aumento excessivos de preços e até comprometimento da segurança dos usuários”.

COMMENTS