Logística ruim pode deixar algumas regiões sem gasolina no final do ano

Logística ruim pode deixar algumas regiões sem gasolina no final do ano

Em novembro e dezembro, consumo aumenta cerca de 10% em relação aos demais meses. Governo prepara plano para combater desabastecimento

“Se depender das transportadoras, não haverá desabastecimento”, dizem as empresas
Etanol deixa de ser financeiramente vantajoso em 23 estados
Postos Extra fazem parceria com o sistema Sem Parar

A demanda crescente por combustível no País, com a gasolina chegando perto da marca dos 30 milhões de litros vendidos até setembro deste ano, fez com que o governo buscasse alternativas para garantir o abastecimento e afastar as possibilidades de escassez.

O aumento no consumo, que tem obrigado o país a importar cada vez mais, somado a uma logística deficiente, gerou a preocupação, pois, em novembro e dezembro, a demanda tradicionalmente aumenta cerca de 10% em relação aos demais meses.

De acordo com o presidente da Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), Paulo Miranda, uma das soluções de curto prazo é a criação de um sistema de prioridade para a gasolina ser descarregada nos portos. “Gasolina tem, está sobrando nos Estados Unidos e Europa. Então, o problema não é faltar, mas fazer chegar até o consumidor”, destaca Miranda.

Segundo ele, já está na pauta de reuniões entre governo e distribuidores a criação de uma espécie de “fura-filas” dos navios que chegam com gasolina. “A logística é o maior problema, tivemos um caso há dois meses em Vitória (ES), quando um navio ficou três dias esperando para descarregar e faltou gasolina em quatro cidades do Espírito Santo”, conta Miranda.

Em outubro, vários postos da rede BR ficaram sem gasolina na região metropolitana de Belo Horizonte e também em algumas cidades do interior de Minas Gerais, por problemas de distribuição.

O coordenador do Fórum Nacional Sucroenergético, Luiz Custódio Cotta Martins, que participa do grupo de discussões com o governo, afirma que o assunto tem sido debatido com preocupação. “A frota não para de crescer, e o consumo de gasolina também. Caminhamos para um apagão de combustível”.

Por nota, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) disse que “monitora o abastecimento de combustíveis e mantém contato permanente com órgãos do governo e agentes econômicos do setor. “O abastecimento de combustíveis no Brasil, tanto de diesel quanto de gasolina, está ocorrendo de forma regular. Casos pontuais envolvendo o abastecimento de gasolina, ocorridos recentemente em alguns locais, já foram sanados”, afirmou a agência reguladora.

COMMENTS