Estiagem prejudica transporte de combustível para RO, AM e MT

Balsas que transportam combustível viajam com 60% da carga. Em Porto Velho, foram repassados R$ 0,05 no preço da gasolina ao consumidor final

TRA Transporte da Amazônia foca suas operações na região Norte do País
Manaus (AM) quer restringir circulação de caminhões
Infraero obtém licença para criar depósito de entulho das obras do Aeroporto de Manaus (AM)

As balsas que transportam combustível de Manaus (AM), para Rondônia, Acre e norte do Mato Grosso viajam com 60% da carga devido ao baixo nível do Rio Madeira em Porto Velho (RO).

A profundidade em alguns pontos do rio não atinge os três metros em virtude do longo período de estiagem na região.

A alternativa encontrada pelos revendedores de combustível foi buscar o produto via terrestre em São Paulo, aumentando o preço para o consumidor final. A Marinha e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) já mapearam 32 pontos críticos de navegação.

“Já tivemos um repasse de R$ 0,10 na gasolina para os revendedores e para o consumidor houve um repasse de R$ 0,05”, afirma Volmir Ramos, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Devirados de Petróleo e Lubrificantes do Estado de Rondônia (Sindipetro-RO).

Pelo Rio Madeira são transportados por ano três bilhões de litros de combustível e cinco toneladas de outros produtos, principalmente soja. A existência de vários bancos de areia e troncos de árvores torna o transporte mais difícil também para mais de 40 mil pessoas por ano.

COMMENTS