Estiagem prejudica transporte de combustível para RO, AM e MT

Balsas que transportam combustível viajam com 60% da carga. Em Porto Velho, foram repassados R$ 0,05 no preço da gasolina ao consumidor final

Navio da Aliança será batizado no Porto Chibatão (AM)
Harley-Davidson inicia operações na nova unidade em Manaus
Porto Chibatão (AM) investe R$ 80 milhões em infraestrutura

As balsas que transportam combustível de Manaus (AM), para Rondônia, Acre e norte do Mato Grosso viajam com 60% da carga devido ao baixo nível do Rio Madeira em Porto Velho (RO).

A profundidade em alguns pontos do rio não atinge os três metros em virtude do longo período de estiagem na região.

A alternativa encontrada pelos revendedores de combustível foi buscar o produto via terrestre em São Paulo, aumentando o preço para o consumidor final. A Marinha e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) já mapearam 32 pontos críticos de navegação.

“Já tivemos um repasse de R$ 0,10 na gasolina para os revendedores e para o consumidor houve um repasse de R$ 0,05”, afirma Volmir Ramos, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Devirados de Petróleo e Lubrificantes do Estado de Rondônia (Sindipetro-RO).

Pelo Rio Madeira são transportados por ano três bilhões de litros de combustível e cinco toneladas de outros produtos, principalmente soja. A existência de vários bancos de areia e troncos de árvores torna o transporte mais difícil também para mais de 40 mil pessoas por ano.

COMMENTS