Produção de caminhões recua 40,2% até agosto, mas Anfavea está otimista

Produção de caminhões recua 40,2% até agosto, mas Anfavea está otimista

Entidade que representa as montadoras diz que redução dos juros e crescimento da atividade econômica devem reverter o quadro de falta de encomendas. Enquanto isso, estoque é reduzido em mais 14 mil unidades

Anfavea negocia prorrogação de acordo com México por cinco anos
Mesmo com incentivos, mercado de caminhões amarga nova queda em setembro
Produção de caminhões continua em alta, mas vendas internas não acompanham o ritmo

Entre as medidas estão a redução de juros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiamento de caminhões de 5,5% para 2,5% ao ano, no Programa de Sustentação do Investimento (PSI), e a depreciação mais rápida, de cinco anos para um ano, dos veículos comprados até 31 de dezembro, o que permite a redução de impostos.

“Até o final do ano deveremos ter crescimento de vendas”, afirmou o presidente da Anfavea, Cledorvino Belini. “A perspectiva de aumento da atividade econômica vai automaticamente impulsionar as vendas de caminhões com as medidas de incentivo à economia”, disse o executivo, mas sem apontar para um indicador, pois, segundo ele, o estoque de caminhões não é alto, o problema está na falta de encomendas.

Essa redução de estoques vem sendo alvo das análises do Portal Transporta Brasil desde o início deste ano, quando as montadoras puxaram o freio de mão na produção de veículos ante as vendas no mercado nacional. Tanto que em agosto, apesar da queda da atividade das fabricantes de caminhões na casa de 40% desde janeiro, as vendas têm apresentado no acumulado do ano queda bem mais leve, com 19,3% a menos em 2012 contra 2011.

Esse é o resultado da expectativa de retração do mercado nacional em função da entrada em vigor da norma Euro 5/ Proconve 7 que aumentou em cerca de 15% a 20% os preços os caminhões fabricados no País e que levou a uma corrida às compras para evitar o custo mais elevado. Como reflexo, as vendas do ano passado foram as maiores da história das montadoras no Brasil.

Com isso, o acumulado do ano permanece como o esperado, em baixa. Foram fabricados no Brasil, até agosto, 87.943 caminhões (12.518 no mês passado) e 22.531 ônibus (3.552 unidades somente em agosto). A produção de caminhões caiu no ano, como já mecionado, 40,2% (44,6% menor que a do mesmo mês do ano passado) e a de ônibus recuou 28,3% no ano (19,3% no mês).

Já em termos de licenciamentos de caminhões no ano a soma chega a 92.778 unidades (11.461 no mês passado), um recuo de 19,3% (30,4% a menos em agosto desse ano contra de 2011). Nos ônibus o licenciamento ficou em 19.962 unidades no acumulado deste ano (3.129 em agosto), queda de 9,6% desde janeiro (e uma reversão em agosto com crescimento de 0,4% este ano quando se compara ao mesmo mês de 2011).

Portanto, na soma entre as exportações e os emplacamentos, de janeiro a julho foram 105.521 unidades comercializadas (13.323 em agosto) que ante a produção de 87.493 e importações de 3.227 veículos chegou a um total de 91.170 (12.810 no mês passado), fato que resultou novamente em uma redução de estoques, desta vez em pouco mais de 14.300 veículos.

As nove companhias associadas à entidade encerraram o ano até 31 de agosto com 90.734 unidades vendidas, volume 20,7% menor que no ano passado. A MAN continua na liderança com 28.346 unidades no ano (3.192 em agosto), a Mercedes-Benz segue na vice-liderança com 23.500 veículos (2.868 no mês passado), a Ford está em terceiro lugar com 14.855 caminhões emplacados (1.847 veículos somente em agosto), a Volvo vem logo atrás com 9.693 unidades (1.496 no mês passado), a Iveco está em quinto lugar com 7.020 caminhões novos (814 unidades em nos 30 dias passados) e a Scania segue em sexto lugar com 6.587 unidades vendidas (909 caminhões novos no mês passado).

Em termos de segmentos de veículos, no acumulado do ano, os semileves das empresas associadas à Anfavea continuam com a maior baixa ante 2011, com 33,5% menos vendas que no ano passado, seguidos por pesados que vem caindo 26%, semipesados que recuaram 19,9% até o final de agosto, os leves, cuja retração acumulada é de 16,9% e os médios com recuo de 6,7%. Em volume de emplacamentos, os semipesados continuam à frente no ano com 31.158 veículos, os pesados vêm a seguir com 26.134 unidades novas vendidas, os leves com 21.347, os médios com 8.628 e os semileves com apenas 3.467 veículos novos emplacados desde janeiro.

Automóveis

Por sua vez, a produção de automóveis de passeio em agosto confirmou as expectativas do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do setor, com o maior volume da história no País. Um dos motivos apontados foi a proximidade do final do período de desconto do IPI, que antes de ser renovado, era para terminar ao final do mês passado.

O volume produzido em agosto somou 329,3 mil veículos, superando o recorde de 326,2 mil unidades de agosto de 2011. Já no acumulado do ano, a indústria automotiva registra produção de 2,18 milhões de veículos, 7,2% menos do que no ano passado.

As quatro mais tradicionais empresas do setor mantiveram a posição de mercado no consolidado do ano. Na soma entre as vendas de automóveis de passeio e de comerciais leves, a Fiat está em primeiro com 544.111 unidades vendidas no ano (98.211 no mês), a Volks vem em seguida com 506.481 vendas (89.351 em agosto). A norte-americana GM segue em terceiro com 425.659 (75.872 no mês passado), enquanto isso, a Ford ficou em quarto com  215.461 unidades vendidas (31.079 nos últimos 30 dias).

COMMENTS