Recurso de multa de trânsito poderá ser feito pessoalmente

Medida vai garantir o direito de defesa oral na contestação de multas de trânsito, feita pessoalmente ou por meio de advogado, diante da autoridade responsável pelo julgamento

Veículos não poderão ser vendidos com estepe de tamanho diferente
Projeto de Lei propõe a não apreensão de veículos por falta de licenciamento
Comissão aprova Programa Nacional do Passe Livre Estudantil

Comissão de Viação e Transporte da Câmara dos Deputados autorizou o andamento do processo de aprovação da medida que dá direito de defesa oral na contestação de multas de trânsito.

A proposta do deputado Nelson Bornier (PMDB-RJ), determina que a pessoa que recorrer da infração de trânsito tem direito de realizar, pessoalmente ou por meio de advogado, sustentação oral diante da autoridade responsável pelo julgamento.

A sustentação oral deve ser requerida à autoridade responsável pelo julgamento no ato da apresentação do recurso e, quando requerida, o prazo para apreciação do recurso é de 60 dias.

Para o presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro, deputado Hugo Leal (PSC-RJ), a defesa oral vai tornar o processo de julgamento de multas ainda mais lento.

Leal acredita que a defesa oral é desnecessária e se torna inviável pelo grande volume de multas de trânsito que tramitam atualmente nos Detrans. “Eu acho que introduzir mais esse tema não vai colaborar em nada com relação a essa questão da agilidade que nós precisamos nos processos administrativos”, disse.

Já o relator da proposta na comissão, deputado Edinho Araújo (PMDB-SP), afirmou que a defesa oral é mais um instrumento para garantir o cumprimento da Constituição Federal, que é a ampla defesa. Araújo defende que a demora nos julgamentos é consequência do grande número de multas e não pode ser utilizada para cercear o direito do cidadão.

“É o tamanho do Brasil, é o tamanho da frota nacional. O governo tem o dever de se aparelhar. O que não se pode admitir é que o cidadão brasileiro não tenha o seu direito constitucional garantido, que é o direito à ampla defesa”, declarou Araújo.

COMMENTS