CTF Technologies vai gerenciar abastecimento da frota paulista do Grupo Noble

Sistema CTF controlará o processo de abastecimento de mais de 1,25 mil veículos e equipamentos alocados em Sebastianópolis do Sul, Potirendaba e Meridiano

Petrobras descobre mais petróleo e gás na Amazônia
Estiagem prejudica transporte de combustível para RO, AM e MT
Combustíveis ficarão mais caros até o final do ano

A CTF Technologies do Brasil, empresa de tecnologia para a gestão de combustíveis, e a Petrobras Distribuidora assinaram contrato com o Grupo Noble para fornecimento e gerenciamento tecnológico de combustível em três unidades de produção de açúcar e etanol no Estado de São Paulo. O Sistema CTF controlará o processo de abastecimento de mais de 1,25 mil veículos e equipamentos alocados em Sebastianópolis do Sul, Potirendaba e Meridiano.

“Pela característica do negócio, as máquinas têm que ser abastecidas no campo, e o combustível precisa ser levado até elas em plataformas móveis”, explica o presidente da CTF, Ariê Halpern. “Com o CTF, o gestor consegue acompanhar toda a cadeia de consumo de combustível de sua empresa, do recebimento e estoque do insumo até a tranferência e abastecimento do maquinário e dos caminhões em campo, permitindo total controle sobre cada gota de combustível adquirida, evitando o desvio e o desperdício”, completa.

Para o Grupo Noble, a adoção do Sistema CTF tem motivos econômicos e ambientais, que incluem a precisão das operações realizadas com bombas automatizadas, a prevenção do desperdício de combustíveis e os relatórios individualizados de consumo, que permitem a identificação de componentes defeituosos ou ineficientes.

Sistema CTF

Uma antena é instalada na bomba de abastecimento de um caminhão comboio, e cada equipamento recebe um identificador eletrônico. A UVE (Unidade Veicular) contém uma segunda antena, que é instalada na boca do tanque de combustível. Ao abastecer, o operador do comboio conecta essas antenas e, se o veículo for reconhecido e estiver autorizado o abastecimento é automaticamente liberado.

Todas as informações da operação, como o tipo e o valor do combustível, são transmitidas para a Central da CTF, em São Paulo, onde os dados são processados e auditados. O sistema gera automaticamente relatórios para o gerenciamento da usina e a avaliação da performance de todos os veículos.

COMMENTS