Sinotruk apresenta detalhes sobre projeto da fábrica em Santa Catarina

Unidade fabril, que será construída na cidade de Lages, irá gerar 400 empregos diretos em uma área de 1 milhão de m². A produção será destinada para atender mercado interno e da América Latina

Banco Mercedes-Benz bate recorde em maio
Transportadoras temem inadimplência e pedem reparcelamento de caminhões
Novidade da Goodyear promete pneus sem necessidade de calibração

A montadora chinesa Sinotruk apresentou o plano de investimento para a unidade fabril da marca, que será construída na cidade de Lajes (SC). De acordo com Joel Anderson, diretor geral da Sinotruk Brasil, a produção inicial será de 5 mil caminhões por ano, chegando a 8 mil um ano depois em um único turno de produção. “Nossa produção será destinada a atender o mercado interno, assim como toda a América Latina”, diz Anderson.

A fábrica, que iniciará suas atividades com montagem em sistema KD (Knock Down), será instalada em uma área de 1 milhão de m2 e vai contar ainda, com outra área de 1,2 milhões de m2 dentro do complexo industrial, que será destinada para a instalação de um centro de  fornecedores.

A aprovação do projeto junto aos órgãos competentes está prevista para o período entre julho a dezembro de 2012. De janeiro de 2013 a junho de 2014 estão previstas obras de construção civil, compra e instalação de maquinários para atender a primeira fase do projeto que posteriormente irá receber investimentos visando atender os índices de nacionalização do novo regime automotivo. “Teremos investimentos significativos por parte de parceiros em motores, transmissão, eixos, cabines e demais itens que estarão sendo desenvolvidos na primeira etapa do projeto”, conta Joel Anderson.

Com base na produção de até 8 mil caminhões por ano em um único turno, a Sinotruk prevê gerar 400 empregos diretos e cerca de 700 empregos indiretos ligados à cadeia de fornecedores já na primeira etapa do projeto. “A demanda de novas vagas depende do mercado, por isso esse número pode crescer de forma significativa”, conta o diretor.

Os investimentos previstos para a primeira etapa do projeto serão superiores a R$ 300 milhões, podendo chegar a R$ 1 bilhão em médio prazo por conta de investimentos necessários para o desenvolvimento de tecnologia, gestão, distribuição e comercialização.

COMMENTS