Iveco entrega Daily GNV para testes de combustíveis alternativos

Acordo entre Iveco, BHTrans, Gasmig, Fetcemg/Setcemg e Patrus testará tecnologias de combustíveis alternativos, com foco na mobilidade e nas entregas urbanas

MG é o Estado com mais acidentes envolvendo caminhões
Câmara analisa projeto que obriga impressão da placa na cobertura de caminhões baú
Todo dia é Dia do Motorista

A Iveco entregou para a Patrus Transportes, um utilitário Daily Furgão GNV 35S14G marcando o início de um programa para o desenvolvimento do uso de combustíveis alternativos, que será realizado por uma parceria da BHTrans (empresa de transporte e trânsito de Belo Horizonte), Universidade Federal de Minas Gerais, Fetemg/Setcemg e a Gasmig.

O acordo faz parte do projeto LOG/BHda BHTrans, que trata da logística urbana de Belo Horizonte e tem como uma de suas premissas a melhoria da mobilidade e da qualidade do trânsito da capital, principalmente no que diz respeito à entregas urbanas. Para isso, a UFMG, por meio do Núcleo de Transporte da Escola de Engenharia (Nucletrans), está desenvolvendo uma pesquisa que medirá o desempenho, o consumo de combustível, a resistência e a performance do Iveco Daily, com o uso do gás natural, nesta função.

“Será um teste de grande importância para a Iveco e a Patrus contribuirá para esse feedback, pois dentro da pesquisa, a transportadora apresentou todas as características necessárias para participar do teste”, disse Lúcio Bicalho, diretor de Qualidade e Satisfação ao Cliente da Iveco. A expectativa é que a Patrus realize 50 entregas por dia em Belo Horizonte, e atenda clientes que já possuem iniciativas sustentáveis como a Natura, DHL, BIC, Mercur, entre outros.

A pesquisa terá duração de 12 meses e, ao longo deste ano, a Iveco cederá outros veículos para testes. “A Iveco está um passo à frente no desenvolvimento e na aplicação de tecnologias voltadas para o uso de combustíveis limpos ou renováveis no mundo. Por isso, não poderia deixar de apoiar uma iniciativa que visa a preservação ambiental”, concluiu Lúcio Bicalho.

COMMENTS