ANAC registra redução maior que 6% na tarifa de voos domésticos

Agência registrou também diminuição de 10,3% no valor médio que o passageiro paga para voar 1 quilômetro em território nacional

Lufthansa Cargo diminui consumo de combustível e emissão de CO2 com contêineres mais leves
Concessões de aeroportos vão gerar 7,1 bilhões de reais em investimentos nos terminais
Iveco entrega 36 Daily 4×4 para operações emergenciais nos aeroportos do Brasil

A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) apontou uma redução de 6,8% na tarifa aérea média doméstica acumulada de janeiro a dezembro de 2011. O valor ficou em R$ 276,25 frente aos R$ 296,33 obtidos em 2010.

O “Yield” tarifa aérea média doméstica (valor médio que passageiro paga para voar 1 quilômetro em território nacional) foi de R$ 0,3493 em 2011, com queda de 10,3% na comparação com os R$ 0,3895 apurados em 2010. Os dados constam do “Relatório de Tarifas Aéreas”, publicado pela ANAC.

Em dezembro de 2011, a tarifa aérea média doméstica (indicador que representa o valor médio pago pelo passageiro por uma viagem aérea em território brasileiro) foi de R$ 316,28, valor 0,15% inferior ao de dezembro de 2010. Na comparação com o mês imediatamente anterior, novembro de 2011, observou-se uma redução de 2,35%. O valor apurado em dezembro de 2011 representou menos da metade do valor pago pelo passageiro há nove anos.

Os valores apresentados são calculados com base nos dados das tarifas aéreas domésticas comercializadas pelas empresas aéreas, mensalmente registradas na ANAC, e são atualizados pelo IPCA do IBGE (índice oficial utilizado pelo governo brasileiro para medir a inflação) até o mês mais recente apresentado no Relatório de Tarifas Aéreas.

São considerados os dados dos bilhetes de passagem do transporte aéreo doméstico regular de passageiros comercializados junto ao público adulto em geral, independentemente de escalas ou conexões, da antecedência de compra do bilhete, do dia do voo, do tempo de permanência do passageiro no destino e do canal de venda do bilhete aéreo.

A ANAC não considera os bilhetes oferecidos gratuitamente, os decorrentes de programas de fidelização (milhas) e os vinculados a pacotes turísticos, as tarifas corporativas, as tarifas diferenciadas oferecidas a empregados da própria empresa aérea e as tarifas diferenciadas para crianças.

COMMENTS