Advertência é solução para o trânsito?

Neste artigo, o Dr. Dirceu Rodrigues Alves Jr. questiona a conversão das infrações leves e médias de trânsito em advertências, medida anunciada pelo CONTRAN

Aspectos cíveis e criminais dos acidentes de trânsito envolvendo transportadoras
Dicas de segurança na estrada (parte 1)
Dia Nacional do Motociclista

Hoje o trânsito é anárquico, ninguém respeita ninguém. As regras desrespeitadas, sinalizações não obedecidas tudo avesso às necessidades da sociedade. O poder público pouco faz. Investimentos em prevenção quase sempre pontuais. Educação de trânsito, artigo constante no Código de Trânsito Brasileiro, desde 1997 não é cumprido.

É o caos que vivemos em decorrência de falta de força política para ações drásticas.

O trânsito e o transporte tem gerado custo altíssimo para os municípios e estados. Existe uma doença epidêmica que está sendo negligenciada pelos governos. Há necessidade em curto prazo de se educar, fiscalizar e punir com severidade. Em longo prazo tem-se que mudar a cultura da população com relação à mobilidade. O relaxamento quanto a essas condutas está transformando mobilidade em risco de vida e quando se pode prevenir não podemos considerar acidente.

E surge o CONTRAN, na contramão do objetivo maior para erradicação da doença no trânsito que assola o nosso país, convertendo  em uma simples advertência as infrações leves e médias.

Relaxar na fiscalização e na punição é igual a aumentar a anarquia que já vivemos. A “Década de Segurança Viária”, proposta pela ONU, já tem um ano de vida e nossos óbitos e sequelados vem aumentando de maneira contrária a proposta que é diminuir em 50% a mortalidade no trânsito. Hoje, já caminhamos para 43 mil óbitos e 110 mil sequelados.

Não há dúvida, os DETRANs são estaduais e a intercomunicação precária. Não temos um cadastro único.

Punição severa é o que precisamos de imediato, com intuito de moralizar, fazer respeitar. Não concordamos com o que dizem que os DETRANs arrecadam constituindo a “Indústria da Multa”. Se for multado é porque estava transgredindo e transgredir no trânsito é grave, gravíssimo.

Temos que respeitar as regras e a vida.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior, médico, diretor da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – www.abramet.org.br)
drdirceu@transportabrasil.com.br

Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

 

Próxima publicação

COMMENTS