Paulistano gasta até 4 horas por dia no trajeto casa-trabalho

Paulistano gasta até 4 horas por dia no trajeto casa-trabalho

Precariedade no sistema de transporte público, quantidade excessiva de veículos nas ruas e políticas de mobilidade urbana ineficazes são a realidade dos trabalhadores que enfrentam esse obstáculo diário em São Paulo. Situação prejudica desempenho no trabalho

Especialista alerta: Lei do Motorista está em pleno vigor e precisa ser cumprida
Retrospectiva 2011 – TV Transporta Brasil
Parte dos bens da Busscar serão leiloados

Quem usa transporte público em São Paulo pode chegar a gastar até 4 horas por dia para ir ao trabalho e voltar para casa. A informação é da gerente-executiva da Associação Nacional dos Transportes sobre Trilhos (ANPTrilhos), Roberta Marchesi. “O tempo que muitos brasileiros gastam no trajeto casa-trabalho, por dia, é desumano”, declarou.

Segundo a dirigente, a solução para o problema está, em parte, no investimento em transporte de alta capacidade, como o metrô e na expansão dos sistemas para interligar as áreas mais afastadas dos centros, além disso, a implementação de políticas de mobilidade urbana e a diversificação de modais no transporte pode contribuir para mudar esse panorâma. “Dados do Ipea de 2005, último estudo sobre o assunto, revelam que o transporte individual representava 49% da nossa matriz, o que gera o aumento da poluição e congestionamento. É necessário mudar esse quadro”, destacou.

Outro estudo citado por Roberta mostra que, nas 20 maiores cidades do mundo, muita gente trabalharia mais se gastasse menos tempo no trajeto casa-trabalho. Em São Paulo, 14% dos pesquisados afirmaram estar dispostos a trabalhar mais e em Nova Deli, o número chegou a 40% da população. O grande período gasto na locomoção ao trabalho prejudica também a qualidade do serviço, afetando fisicamente e psicologicamente o trabalhador.

A representante da ANPTrilhos participa de audiência pública promovida pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados para discutir o impacto das greves no transporte público nas grandes capitais do país e regiões metropolitanas.

COMMENTS