Paulistano gasta até 4 horas por dia no trajeto casa-trabalho

Paulistano gasta até 4 horas por dia no trajeto casa-trabalho

Precariedade no sistema de transporte público, quantidade excessiva de veículos nas ruas e políticas de mobilidade urbana ineficazes são a realidade dos trabalhadores que enfrentam esse obstáculo diário em São Paulo. Situação prejudica desempenho no trabalho

Dilma sanciona pacote de bondades aos caminhoneiros
Presidente da TNT Express renuncia ao cargo
Montadora norte-americana quer conquistar o Brasil

Quem usa transporte público em São Paulo pode chegar a gastar até 4 horas por dia para ir ao trabalho e voltar para casa. A informação é da gerente-executiva da Associação Nacional dos Transportes sobre Trilhos (ANPTrilhos), Roberta Marchesi. “O tempo que muitos brasileiros gastam no trajeto casa-trabalho, por dia, é desumano”, declarou.

Segundo a dirigente, a solução para o problema está, em parte, no investimento em transporte de alta capacidade, como o metrô e na expansão dos sistemas para interligar as áreas mais afastadas dos centros, além disso, a implementação de políticas de mobilidade urbana e a diversificação de modais no transporte pode contribuir para mudar esse panorâma. “Dados do Ipea de 2005, último estudo sobre o assunto, revelam que o transporte individual representava 49% da nossa matriz, o que gera o aumento da poluição e congestionamento. É necessário mudar esse quadro”, destacou.

Outro estudo citado por Roberta mostra que, nas 20 maiores cidades do mundo, muita gente trabalharia mais se gastasse menos tempo no trajeto casa-trabalho. Em São Paulo, 14% dos pesquisados afirmaram estar dispostos a trabalhar mais e em Nova Deli, o número chegou a 40% da população. O grande período gasto na locomoção ao trabalho prejudica também a qualidade do serviço, afetando fisicamente e psicologicamente o trabalhador.

A representante da ANPTrilhos participa de audiência pública promovida pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados para discutir o impacto das greves no transporte público nas grandes capitais do país e regiões metropolitanas.

COMMENTS