Caminhões e ônibus Mercedes-Benz estão aptos a trabalhar com mistura de 20% de biodiesel

Garantia foi anunciada durante a Rio+20, conferência mundial sobre sustentabilidade e preservação ambiental. Segundo a montadora, veículos com qualquer ano de fabricação da marca podem ser abastecidos com o B20 sem necessidade de modificações no motor

Cummins realiza testes que aprovam uso de biodiesel B20 em seus motores
Governo aprova aumento de biodiesel na mistura do óleo diesel vendido no Brasil
CNT e Sest Senat lançam manual para melhor uso do diesel

Uma das respostas da Mercedes-Benz à necessidade de preocupação com as emissões veiculares e com a sustentabilidade do meio ambiente, por meio do uso de energia limpa e renovável, é o anúncio que a montadora fez durante a Rio+20, conferência mundial sobre meio ambiente que acontece no Rio de Janeiro.

Segundo a fabricante, seus caminhões e ônibus, independente do ano de fabricação, estão aptos a rodar com a mistura de biodiesel a 20% (B20) sem qualquer necessidade de modificação no motor.

“Além disso, são mantidos a eficiência e o excelente desempenho, com menores emissões e reduzido consumo”, diz Gilberto Leal, gerente de Desenvolvimento de Motores da Mercedes-Benz do Brasil. “Isso reforça a confiança da Mercedes-Benz no uso de combustíveis alternativos, que se mostram como opções interessantes, pois não requerem alteração na estrutura da frota atual”, comenta o executivo.

A Mercedes-Benz do Brasil já realizou mais de 2,2 milhões de quilômetros em testes com o biodiesel para caminhões e ônibus. “Estamos mostrando ao mercado que o biodiesel e também o diesel de cana são as mais viáveis alternativas de combustível ‘limpo’ para o nosso País”, diz Gilberto Leal.

Atualmente, misturas até B5 (teor de 5% de biodiesel) são utilizadas normalmente em caminhões e ônibus, já incluindo os modelos que atendem ao Proconve P-7, sem necessidade de alterações no veículo e no motor. A partir de agora, isso também é válido para o B20, mantendo-se os mesmos níveis de desempenho, consumo e emissões, com destaque para a redução de 35% na emissão de Material Particulado.

COMMENTS