Volvo cria série especial do FH para celebrar regata

Montadora lançou lote restrito do caminhão com cabine Globetrotter, pintura exclusiva e pacotes especiais de acabamento, com motorização de 460 e 540 cavalos

Porto Chibatão (AM) passa a adotar agendamento eletrônico de caminhões
Caminhão paixão! Todo mundo quer entrar no Kenworth T680
Grupo ZF vai investir R$ 532 milhões em Sorocaba (SP) até 2016

A Volvo apresentou ao mercado uma série especial e limitada dos caminhões FH para celebrar a regata Volvo Ocean Race, competição da marca que realiza provas em todo o mundo e mobiliza grande número de fãs. Os caminhões, com cabine Globetrotter, opção de motorização de 460 e 540 cavalos e pintura exclusiva, fazem parte de um exclusivo lote de 100 unidades.

A série exclusiva dos caminhões marca a passagem da Volvo Ocean Race pelo Brasil e traz pintura exclusiva. “Esta é a mais difícil e importante regata mundial da atualidade. Superação de limites, respeito ao meio ambiente e desafios são temas diários na vida dos velejadores e também estão presentes na Volvo”, diz Roger Alm, presidente de vendas e marketing de caminhões da Volvo Latin America. “Fizemos esta série especial do FH para celebrar estes valores”, destaca o presidente.

O banco do motorista é elétrico, com memória para três posições, e ajustes de distância e altura, tem aquecimento e ventilação, e ajustes pneumático lateral e lombar. Outro detalhe que remete à regata é o prendedor de cortina, fabricado em corda naútica. “Além de ser o caminhão mais seguro e confortável do mercado, é o mais bonito”, orgulha-se o presidente, lembrando que a Volvo pensou em todos os detalhes ao desenvolver a nova série especial.

“Os veículos da Volvo Ocean Race têm também suspensão pneumática, um recurso extremamente importante para aumentar o conforto do motorista e a produtividade do transportador”, lembra Álvaro Menoncin, gerente de engenharia de vendas da Volvo do Brasil. Além disso, este tipo de suspensão é muito útil para operações de logística, quando o motorista precisa atrelar e desatrelar o implemento mais rapidamente e voltar logo para a estrada. “E ainda aumenta a durabilidade de cargas mais frágeis ou vivas”, explica Menoncin.

COMMENTS