Governo de São Paulo quer padronizar restrições aos caminhões

Grupo de estudos formado pela Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano que unificar horários de proibição aos caminhões em todos os municípios da Região Metropolitana de São Paulo

Scania oferece pacote de serviços para ônibus da marca
Volkswagen vende caminhões para os Bombeiros do Rio Grande do Sul
Mercedes-Benz aposta no mercado de caminhões seminovos

A Secretaria Estadual de Desenvolvimento Metropolitano de São Paulo criou um grupo de trabalho para debater o transporte de cargas na região, com a participação de seu titular, o secretário Edson Aparecido, do secretário estadual de Transporte e Logística, Saulo de Castro Abreu, dos prefeitos de São Bernardo do Campo, Embu das Artes, Itapecerica da Serra, Mairiporã, Franco da Rocha, Osasco e Guarulhos, além dos representantes das entidades: Consórcio Intermunicipal Grande ABC, Consórcio Municipal da Grande São Paulo Norte, Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos e SETCESP (Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região).

A comissão criada para debater o transporte e a logística na maior zona urbana do País realizará encontros para definir propostas e soluções para a mobilidade urbana. Um dos consenso do grupo é padronizar as restrições aos caminhões em todas as cidades que formam a região metropolitana. “Chegamos ao entendimento de que há necessidade de haver regras unificadas nas cidades da Região Metropolitana. O transporte de cargas precisa ser unificado, não é mais possível que haja regras específicas para cada município”, explica Aparecido.

O objetivo é dar início a estudos de planejamento estratégico do transporte de cargas nas 39 cidades que formam a região. “Pela primeira vez estamos discutindo de forma integrada a questão da logística da Região Metropolitana de São Paulo, tema que é cada vez mais importante. Iniciamos um estudo para a partir dele  desenvolver um plano mais amplo e estratégico, levando em conta toda legislação e o sistema de cada município. Esse plano será definitivo e levará em conta todo o sistema de transporte da região, como o rodoanel, ferroanel e hidrovia”, comenta Edson Aparecido.

COMMENTS