Polícia fecha desmanche de caminhões na Bahia e Goiás

Rastreadores dos veículos ajudaram nas buscas, que tiveram participação de equipes terrestres e uma aeronave do Grupo Tracker. Cinco suspeitos foram presos e um está foragido

Ibéria investe em equipamentos para atender demanda de transporte de cargas especiais
Anac realiza leilão de quatro aeroportos
Chinesa Foton terá fábrica de caminhões em Camaçari (BA)

As polícias de Goiás e Bahia fecharam dois desmanches de caminhões, um em Goiânia e outro em Itabuna, em menos de 48 horas, graças às informações fornecidas pelos rastreadores dos veículos. Segundo a Tracker, fabricante e operadora dos equipamentos, suas equipes de terra e uma aeronave foram utilizadas para ajudar a polícia a encontrar os caminhões roubados.

Ao todo, cinco suspeitos foram presos e um está foragido. O primeiro roubo ocorreu em 9 de março na Zona Sul de São Paulo, com um caminhão Volkswagen ano 2005, avaliado em R$ 120 mil. O motorista foi seguido por homens armados e entregou o veículo ao ser abordado pelo carro da quadrilha. Segundo a empresa de rastreamento, dias depois, uma antena de Goiânia, pouco menos de 1.000 quilômetros de distância, reportou o sinal do rastreador e a Polícia Civil foi acionada. Na capital goiana, os policiais encontraram um desmanche com dezenas de caminhões semi-desmontados e o VW roubado estava quase que completamente desmantelado.

Na ocorrência da Bahia, na cidade de Lauro de Freitas, uma van Mitsubishi L200 foi encontrada por meio do rastreador, levando a polícia ao desmanche que tinha caminhões, pick-ups, motos e carros roubados. Ninguém foi preso e a L200 foi devolvida para o proprietário, sem avarias.

“Segundo o delegado responsável pelo caso, a Tracker levou as autoridades a um dos maiores desmanches da Bahia e o maior do Sul do Estado”, revela o diretor de Operações da Tracker, Carlos Alberto Betancur. Ele ressalta que só em 2012, a empresa já ajudou a polícia a localizar seis depósitos de carros roubados no Brasil. Os outros quatro eram no Estado de São Paulo.

COMMENTS