Medida Provisória altera taxas aeroportuárias visando ampliar privatização de aeroportos

Conforme consta na medida, alterações de tarifas entrarão em vigor a partir de 10/1 de 2012

Vacaria vai ganhar um aeroporto
Para Anac, maior concorrência em Congonhas poderá reduzir preços
MPF recomenda que Infraero suspenda licitação para nova pista no aeroporto de Campinas

Está sendo analisada pela Câmara dos Deputados a MP (Medida Provisória) 551/11, que tem como objetivo alterar a distribuição das tarifas de embarque e criar a tarifa de conexão de voos visando ampliar a viabilidade dos aeroportos brasileiros a serem concedidos à iniciativa privada. As alterações de tarifas entrarão em vigor, de acordo com a proposta, a partir de 10/1 de 2012.

A medida reduz de 50% para 35,9% o Ataero, que é o adicional recolhido sobre as tarifas aeroportuárias. Desta forma, o valor passa de R$ 6,89 para R$ 5,86 por embarque nacional.

Este adicional é utilizado em financiamento de obras de infraestrutura nos aeroportos. A Lei 9.825/99 destinava o valor arrecadado com essa taxa para o Tesouro Nacional, mas a MP 551/11 passa a destiná-lo ao Fnac – Fundo Nacional de Aviação Civil.

A parcela que cabe às empresas administradoras dos terminais sofreu acréscimo de R$ 13,77 para R$ 15,20 também nos embarques nacionais. Essas novas regras estabelecidas não chegarão a prejudicar o passageiro, que continuará a pagar as tarifas atuais de R$ 20,66 nos embarques nacionais e de R$ 68,34 para os voos internacionais.

O valor recolhido com o Ataero de tarifas internacionais será aplicado no desenvolvimento dos aeroportos e do setor da aviação civil. Antes, esse valor era voltado para a amortização da dívida pública mobiliária federal.

A MP também elimina a incidência do Ataero nas tarifas de uso das comunicações e auxílio à navegação aérea em rota, medida que, de acordo com o texto do Executivo, garantirá a manutenção das tarifas pagas pelos usuários dos aeroportos.

O que também muda é o aumento da destinação dos recursos do Ataero para o Programa Federal de Auxílio a Aeroportos de 20% para 25,24%. O valor destinado ao governo federal ou às empresas que administrarão os aeroportos caiu de 80% para 74,76%.

A MP também autoriza o governo a criar uma tarifa de conexão. Taxa será paga pelas companhias aéreas que usarem os terminais para conexões entre voos.

Segundo a proposta, ficam isentos de tarifa os passageiros: de aeronaves militares, do governo brasileiro ou de governos estrangeiros; em aeronaves com problemas técnicos ou acidentes; com menos de dois anos de idade; que sejam inspetores de aviação civil em trabalho; e convidados pelo governo brasileiro.

Com informações da Agência Câmara de Notícias

COMMENTS