Venda de implementos rodoviários cresce, mas Anfir projeta retração de mercado

Venda de implementos rodoviários cresce, mas Anfir projeta retração de mercado

Expansão de 8,26% para pesados e de 25% para os leves não é suficiente para a entidade que representa o setor ficar otimista com a performance de 2011

Vendas de implementos rodoviários registram queda no acumulado de 2012
MDIC afirma que aprovará programa de renovação de frota de caminhões
Implementos projetam crescimento de mais de 20% em 2019

O desempenho das montadoras de caminhões no Brasil tem influenciado diretamente as vendas de implementos rodoviários no País. As empresas associadas à Associação Nacional dos Implementos Rodoviários (Anfir) têm sentido a desaceleração do mercado nacional. Segundo balanço da entidade, o segmento de pesados (reboques e semirreboques) registrou de janeiro a setembro um volume total de 45.373 unidades emplacadas. Esse volume é 8,26% superior ao registrado no mesmo período de 2010.

O segmento de leves (carroceria sobre chassi) apresenta no balanço de janeiro a setembro um total de 98.341 unidades emplacadas, o que representa aumento de 24,82%. No total do mercado, a entidade registrou crescimento de 19% com o emplacamento de 143.716 unidades contra 120.703 do mesmo período do ano passado.

Apesar desse crescimento, a associação diz estar preocupada com o desempenho do setor até o final do ano em decorrência da desaceleração do ritmo de crescimento das empresas. O presidente da Anfir, Rafael Wolf Campos, já começa a falar em retração do mercado na comparação com o ano passado. “Os números atuais de reboques e semirreboques indicam que vamos fechar o ano com um resultado até mesmo um pouco abaixo de 2010”, revelou ele.

Dentre os motivos que levam a entidade a essa visão pessimista mesmo diante de indicadores de crescimento até o mês passado está a antecipação das compras de caminhões, resultado da entrada em vigor do Proconve 7 (Euro 5) em janeiro, somada a redução na oferta de crédito. De acordo com diferentes montadoras, a entrada dessa nova tecnologia para a redução da emissão de poluentes deverá elevar em
cerca de 15% o preço dos veículos ao consumidor final, fato que levou a uma verdadeira corrida às concessionárias desse tipo de veículo.
Tanto é assim que, de acordo com os números da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), foram produzidas 159.024 unidades contra 140.924 veículos de janeiro a setembro de 2011 contra o ano passado. No acumulado do ano, o crescimento na fabricação de caminhões recuou um pouco ante o registrado até agosto, passou de 13.1% para 12,8%.

Maiores altas e quedas

Dentre os segmentos de atuação das empresas associadas à Anfir, o implemento mais vendido foi o do tipo graneleiro, com 13.225 unidades para reboques e semirreboques. Já na categoria carrocerias sobre chassis, a liderança de mercado ficou com o baú alumínio/ frigorifico com pouco mais de 29 mil unidades emplacadas.

Em termos de crescimento de participação de mercado, na categoria reboques e semirreboques, o destaque até o mês passado ficou com basculantes e porta contêiner, que apresentaram expansão de 37,84% e de 36,88%, respectivamente. Por sua vez, para os caminhões de menor porte, o segmento de implementos para betoneiras cresceu 54,47% até setembro deste ano.

No sentido inverso, as maiores quedas no ano são registradas por tanque alumínio (78,33%) e transporte de toras (42,08%) em reboques e semirreboques.  Já em carrocerias sobre chassis, todas as categorias apresentam números positivos, reflexo de um maior crescimento nas vendas de caminhões leves e semipesados no ano em comparação ao ano passado.

COMMENTS