Agência de Fomento Paulista financia renovação de frota da Marcamp

Troca de veículos da transportadora tem como finalidade reduzir emissão de gases poluentes em 98%

Projeto de Lei propõe isenção da Cide nos derivados de petróleo para o transporte de cargas
Governo federal decide aumentar percentual de biodiesel no óleo diesel
Leilão de biodiesel movimenta R$ 992 milhões

A Agência de Fomento Paulista/Nossa Caixa Desenvolvimento realizou recentemente o primeiro financiamento para o setor de transporte com o intuito de reduzir emissões de gases poluentes. A beneficiada foi a Marcamp, empresa de Campinas especializada em equipamentos para movimentação e armazenagem de materiais.

Com R$ 639,5 mil, a companhia fará a troca de sua frota de 24 veículos de porte médio substituindo o uso de combustível fóssil pelo renovável. De acordo com a Ecofrotas, que fará a gestão da frota, a medida reduzirá em até 98% a quantidade de CO2 emitida pelos veículos.

A previsão é de que a Marcamp reduza um total de 310,49 toneladas de CO2 no período de quatro anos. A redução se dará por meio do uso de pelo menos 95% de etanol para abastecer os veículos e será comprovada pela Ecofrotas.

“Estamos alinhados à política de desenvolvimento econômico sustentável do Governo de São Paulo. Ao se comprometer em reduzir a emissão de gases de efeito estufa, a empresa poderá tomar crédito a juros menores e por um período mais longo”, diz o presidente da Agência de Fomento Paulista, Milton Luiz de Melo Santos.

Para poder disponibilizar crédito às empresas que queiram substituir o uso de combustível fóssil de suas frotas, a Agência de Fomento Paulista estipula a comprovação do uso mínimo de 95% de combustível renovável. A Ecofrotas no contrato da Marcamp fica encarregada de comprovar o cumprimento das exigências em termos de redução de emissões.

“Nosso trabalho permite demonstrar, por meio de relatórios trimestrais, a redução das emissões, de modo a garantir que o cliente cumpra as regras do financiamento”, diz o presidente da Ecofrotas, Marcos Schoenberger.

COMMENTS