MAN vai testar biodiesel americano

Montadora utilizará o combustível produzido pela LS9, empresa norte-americana de biotecnologia que apresenta alternativa a partir de bactérias geneticamente modificadas

GranBio inaugura em Barra de São Miguel (AL) estação para desenvolvimento de biocombustíveis
Maior mistura voluntária de biodiesel no diesel será permitida em 2016
Petrobras firma parceria com usina de biodiesel na Bahia

A MAN Latin America vai testar um novo tipo de combustível em seus caminhões e ônibus da marca Volkswagen no Brasil. A montadora fechou uma parceria com a empresa de biotecnologia dos Estados Unidos LS9, que desenvolve um biodiesel obtido por meio da fermentação de matéria vegetal por bactérias geneticamente modificadas.

Segundo a fabricante, o processo é mais simples e apresenta menor custo de produção.  O produto, batizado de Ultra CleanTM Diesel, é proveniente da biossíntese do ácido graxo realizada pelas bactérias e a LS9 afirma que é mais avançado porque tem melhor combustão, suporta períodos mais longos de armazenagem e não cristaliza quando utilizado em menor temperatura ambiente.

“A sociedade e o poder público querem mais garantias à preservação ambiental, dando preferência crescente ao uso de combustíveis renováveis em frotas de transporte público, por exemplo. Por isso estamos abrindo o leque de possibilidades com o Ultra CleanTM Diesel”, explica Roberto Cortes, presidente da MAN Latin America.

Os testes têm previsão para começar agora no segundo semestre e serão realizados em bancadas dinamométrica com os motores da montadora, avaliando nível de emissões, desempenho (torque, potência e consumo específico) e durabilidade acelerada. Serão avaliadas diferentes misturas de biodiesel da LS9 ao óleo diesel convencional, além do biocombustível puro.

Em 2012, a MAN começará os testes de campo, com seus veículso rodando durante 12 meses com o combustível. “A cooperação com a MAN Latin America reforça nosso compromisso de produzir biocombustíveis com boa relação custo-benefício e alta qualidade, além de amplamente sustentáveis e renováveis para oferta a clientes globais”, diz Ed Dineen, presidente da LS9.

COMMENTS