Mercedes-Benz atinge marca de 40.000 Axor comercializados no Brasil

Mercedes-Benz atinge marca de 40.000 Axor comercializados no Brasil

Montadora firma posto de líder de vendas de cavalos-mecânicos pesados e comemora boa aceitação da linha

Volvo abre fábrica de caixas de câmbio I-Shift no Brasil
Foton Caminhões anuncia Alcides Cavalcanti como novo diretor de Vendas, Marketing e Pós-Venda
Caminhão-teatro da Scania leva concerto de piano para festa de 459 anos de São Bernardo do Campo (SP)

A Mercedes-Benz atingiu no final do mês de maio a marca de 40.000 caminhões pesados Axor comercializados desde o lançamento desta linha de veículos aqui no Brasil, em 2005. Foram 36.404 caminhões no mercado interno e 3.639 no mercado externo.

“Ao chegar ao mercado, o Axor trouxe um novo padrão tecnológico e de desempenho, conforto e segurança para o transporte de cargas no País”, diz Joachim Maier, vice-presidente de Vendas da Mercedes-Benz do Brasil. “Assim, contribuiu de forma importante para o fortalecimento da marca no segmento de caminhões pesados, do qual somos o atual líder de vendas”, ressalta o executivo.

Desde o lançamento até maio deste ano, os modelos 2540 6×2, 1933 4×2 e 2544 6×2 (para operações de transporte de cargas rodoviários) venderam 8.242, 7.403 e 3.958 unidades, respectivamente.

Já os veículos para operações fora-de-estrada, os destaques são os modelos 2831 6×4 (3.675 unidades), oferecido ao mercado nas versões basculante e plataforma; 3344 6×4 (2.769 unidades) e Axor 3340 (2.249 unidades), estes últimos disponíveis nas versões cavalo-mecânico, basculante e plataforma.

No geral, os mais vendidos da linha são os modelos 1933 4×2 (8.822 unidades), 2540 6×2 (8.355 unidades) e 2831 6×4 (3.976 unidades).

“Hoje, trata-se de um dos caminhões mais completos do mercado. Na versão Premium, traz como itens de série câmbio semi-automatizado ComfortShift, freio ABS, ar condicionado, trio elétrico, computador de bordo e painel de instrumentos com Econômetro, indicador que auxilia o motorista a dirigir de uma forma que otimiza o consumo de diesel”, conclui Maier.

COMMENTS