ANEOR propõe criação de entidade responsável por grandes projetos na área de transportes

Presidente da entidade, José Alberto Pereira Ribeiro, alega que o sistema logístico brasileiro carece de uma estrutura de planejamento de médio e longo prazos em nível governamental

DNIT decide ampliar serviço dos Veículos de Diagnóstico de Rodovias
Concessionária recebe Licença Ambiental para a quinta fase do trecho leste do Rodoanel
Rodovias de má qualidade encarecem o transporte em média 25%

Durante reunião do Conselho de Infraestrutura da CNI (Confederação Nacional da Indústria) realizada no dia 17 de maio, a ANEOR (Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias) propôs a criação de uma entidade estatal responsável por grandes projetos na área de transportes. O órgão levaria a alcunha de EBPL – Empresa Brasileira de Planejamento Logístico.

“O sistema logístico brasileiro se ressente de uma estrutura de planejamento de médio e longo prazos em nível governamental, o que limita drasticamente os horizontes também do setor privado em suas decisões de investimento em infraestrutura, diretamente ou em parceria com o governo”, justificou José Alberto Pereira Ribeiro, presidente da ANEOR.

Na ocasião, Ribeiro negou que sua sugestão represente o retorno da estatização na economia e afirmou que a EBPL é uma necessidade para a economia. “A função que irá exercer exige um ente público, pois seu trabalho pressupõe investimentos a fundo perdido, que só o setor público pode fazer”.
O presidente também citou a criação da EPE, a Empresa de Pesquisa Energética, como um bom precedente, e afirmou que sem ela não ocorreria a retomada dos grandes projetos hidrelétricos, como as usinas de Jirau, Santo Antônio e Belo Monte.

“O modelo da EPE se aplica ao campo da infraestrutura de transportes. Nos dois setores, a característica central são os projetos de grande escala, longo prazo de maturação, ampla interferência com o meio ambiente e alto risco. Dificilmente o setor privado correria o risco da elaboração dos projetos nesses setores pelas incertezas de retorno”, concluiu.

COMMENTS