Setor de implementos rodoviários cresceu 47%

Setor de implementos rodoviários cresceu 47%

Números da Anfir, Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários, mostram os resultados de 2010. Exportações ainda são preocupação

Fabricantes de autopeças sinalizam retomada de crescimento
Nissan do Brasil regista aumento de 154% nas vendas em janeiro
Petrobras encerra abril com alta de 4,2% na produção de petróleo

O segmento da indústria de implementos rodoviários no Brasil cresceu 47% no ano passado, de acordo com os dados de equipamentos emplacados divulgados pela Anfir, Associação dos Fabricantes de Implementos Rodoviários, em coletiva à imprensa realizada esta semana.

Segundo a entidade, o Brasil produziu no ano passado 177.682 unidades, sendo 170.214 implementos para o mercado interno e 4.468 para exportação. Para Rafael Campos, presidente da Anfir, os números demonstram um momento bom para a indústria. “Estamos recuperando o tempo perdido com a crise. Os números de 2010 nos mostram algumas coisas interessantes, como a mudança de comportamento dos transportadores, que têm aplicado mais técnicas logísticas às suas operações, o que trouxe mudanças nos números de emplacamentos de algumas famílias de produtos”, diz Campos.

Um exemplo desta mudança, segundo o presidente da Anfir, é a queda acentuada no emplacamento de equipamentos graneleiros, que estão sendo substituídos por outros, para evitar o desperdício dos produtos. Outro indicador interessante revelado pelos dados da Anfir é o grande aumento da venda de implementos sobre chassis, que demonstram mudanças no perfil de consumo e no acesso dos caminhões às grandes cidades. “Com o forte aquecimento do consumo, o Brasil tem demandado mais distribuição urbana de bens, o que fez aumentar o número de emplacamentos de implementos encarroçados, sobre chassis. Outro aspecto disso é o grande número de restrições aos caminhões de grande porte em algumas metrópoles brasileiras, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e outras”, explica.

Exportações

Com crescimento de 41%, as exportações de implementos brasileiros tiveram bom resultado em 2010, mas ainda são motivo de preocupação para os empresários do segmento. “O Brasil precisa cuidar das questões macroeconômicas, como o câmbio, os gastos públicos, a incidência pesada de tributos sobre a folha de pagamentos e outras questões tributárias e de juros. Sem isso, os produtos brasileiros perdem competitividade e estaremos fadados à perda de espaços importantes no mercado internacional”, comenta Campos.

Existem hoje no Brasil cerca de 1500 empresas que fabricam implementos rodoviários para o transporte de cargas. As dez maiores empresas do segmento são responsáveis por 85% do mercado de reboques e semirreboques e as 50 maiores fabricantes respondem por 85% do mercado de implementos sobre chassis.

“O setor teve em 2010 um faturamento de R$ 6,8 bilhões, com previsão de aumento para R$ 7 bilhões em 2011. Nossa perspectiva é que esta indústria empregue neste ano 70 mil trabalhadores diretos e indiretos e fabrique um total de 188.500 unidades”, relata o presidente da Anfir. De acordo com ele, a capacidade instalada de produção de implementos rodoviários hoje no Brasil é de 200 mil unidades.

Financiamentos

Para Campos, programas de financiamento como o PSI (Programa BNDES de Sustentação do Investimento), que traz planos como o Procaminhoneiro e outros, com juros baixos, são a base dos investimentos para a aquisição de equipamentos rodoviários. “Cerca de 80% das compras são realizadas por meio dos planos do PSI. A manutenção deste programa e o financiamento de até 100% do valor do produto são primordiais para a sustentação do crescimento de nosso setor”, finaliza o dirigente.

COMMENTS