Falta de motoristas qualificados preocupa transportadoras

Falta de motoristas qualificados preocupa transportadoras

Empresas comentam sobre prejuízos e dificuldades devido à escassez de mão de obra no setor

Entidade da Paraíba entra com mandado de segurança para deslacrar caminhões parados
Transportadora Jamef amplia frota
Volvo cria série especial do FH para celebrar regata

As transportadoras vêm sentindo com a escassez da mão de obra qualificada no setor. A taxa de ociosidade de veículos cresce enquanto o desinteresse pela atividade passa a se tornar uma tendência. Para combater essa carência, nos últimos meses, algumas empresas tentam atrair novos funcionários com campanhas de RH (Recursos Humanos) e premiações, como é o caso da Total Express, que oferece R$ 1.000 ao candidato que passar no processo seletivo.

“Hoje, o que a gente tem feito é tentar se diferenciar do mercado. A gente vinha fazendo anúncios tradicionais e, com eles, não obtivemos muito êxito na busca desse profissional específico, que é o transportador. Por isso a empresa decidiu criar um prêmio para o selecionado”, comenta Sérgio Brito, diretor comercial da Total Express.

Para Luiz Carlos de Faria Jr, gestor comercial do Expresso Mirassol, o setor está sendo atingido de forma bastante contundente. “Se fomos analisar a situação a longo prazo, a tendência é piorar, porque o Brasil não é um País com oferta de mão de obra abundante. No futuro, vai faltar muita mão de obra e teremos que importá-la, como aconteceu com os EUA anos atrás”, diz Faria.

Veículos parados

O problema da questão de qualificação do motorista afeta diretamente todos os setores da transportadora e o resultado final é o prejuízo com caminhões sem gerar capital. “Hoje eu tenho caminhão, tenho serviço, e não tenho motorista. Estou com veículo parado, sem faturar. Para cada conjunto, eu tenho um custo fixo que tem que ser pago. A partir do momento em que não é possível nem pagar o custo fixo, eu estou diluindo este custo do resultado de outras operações, então o prejuízo é grande.”, diz o gestor do Expresso Mirassol.

“Cerca de 10% de nossa frota está parada. Nossa empresa cresce 50% ao ano, mas eu poderia ter crescido mais, o que não está acontecendo em função desse problema”, conta o diretor da Total Express.

COMMENTS