Indicadores na segurança

A análise de Teanes Carlos Santos Silva traz os principais indicadores para avaliação da segurança empresarial e patrimonial e controle de perdas na produção

Prevenção de Perdas no RH
Férias sim, acidentes não! Vá e volte!
Compulsão por velocidade

Os sistemas produtivos têm evoluído de forma acelerada nos últimos séculos, e, com isso, é crescente a preocupação em reduzir perdas, minimizar riscos, garantir a continuidade dos negócios. Para tanto, as empresas realizam investimentos em tecnologias, treinamentos, controles e modernas formas de gestão.

São implementados diversos programas de melhoria e existe a busca incansável por certificações de processos por meio de certificações como ISO 9001, ISO 14001, OSHAS 18001 e tantas outras.

As empresas contratam serviços de auditoria externa, cuja finalidade é aferir se os processos principais, que estão dentro de um sistema de gestão, atendem os requisitos previstos no manual.

Embora pareçam simples, os desafios são enormes, pois a forma de definição dos processos mais importantes nem sempre são coerentes com as realidades das empresas, razão pelas quais, outros processos julgados de menor importância acabam afetando todo o sistema.

Visando um melhor clima organizacional, existe a preocupação por parte das empresas em dar segurança às pessoas e defender o patrimônio, da melhor maneira possível, em face ao que se observa nas estatísticas criminais que demonstram a evolução do número de roubos, furtos, fraudes, desvios internos, pirataria e contrabando, entre outros. Também se faz necessário integrar a atividade meio (segurança), muito importante, com os demais processos, e, assim, agregar valor na atividade fim da empresa.

Diante disso, algumas organizações, estrategicamente, vislumbrando uma empresa segura, estão criando ou otimizando o departamento de Segurança Empresarial/Patrimonial.

A Segurança Patrimonial tem uma série de atribuições e, para melhor gerenciá-las, se faz necessário o uso de indicadores.

Os KPIs – Key Performance Indicators, ou seja, “indicadores chaves de desempenho”, podem ser:

  • Medidas de Desempenho
  • Produtividade
  • Qualidade
  • Lucratividade
  • Economia de Tempo
  • Eficiência do processo
  • Utilização de recursos
  • Economia de recursos
  • Crescimento

Categorias

  • Direto
  • Percentual

Taxa

  • Índice
  • Média Comparada
  • Estatístico

Cabe ao gestor de segurança identificar o que melhor se alinha com a organização.

Os indicadores a seguir, visando gestão de pessoas, podem ser utilizados pelo contratante e/ou contratado dos serviços de vigilância patrimonial e correlatos.

Métricas de Rotatividade

  • Taxa de rotatividade
  • Custo por contratação
  • Custo de substituição
  • Tempo de preenchimento de vagas abertas
  • Duração do vínculo de emprego

Métricas de Recrutamento

  • Tempo de vagas em aberto
  • Avaliação de performance de novos contratados
  • Satisfação da gerência
  • Rotatividade de novos contratados
  • Impacto financeiro de contratações mal-sucedidas

Métricas de Retenção

  • Rotatividade evitável
  • Rotatividade da diversidade
  • Impactos financeiros
  • Rotatividade geral de empregados

Métricas de Treinamento e Desenvolvimento

  • Oportunidades de aprendizado
  • Crescimento na empresa
  • Satisfação com o aprendizado on- the-job (no dia-a-dia do trabalho);
  • Oportunidades para novos empregados

De acordo com Peter Drucker, “A tarefa primordial do gestor é administrar para obter resultados, traduzindo os objetivos da organização em medidas de performance departamentais, grupais e individuais”.

No transporte de cargas é imprescindível o acompanhamento dos indicadores e, como exemplo, no site do SETCESP – Sindicato das Empresas de Transportes e Cargas de São Paulo e região, está disponível uma unificação dos Levantamentos Estatísticos (SSP/SP e TRC paulista) e uma análise sintética comparativa. Acesse e confira pelo site :http://www.setcesp.org.br.

Conclui-se, portanto, que a utilização de indicadores claros e precisos contribui com a tomada de decisões, seja para o planejamento estratégico ou tático.

Por fim, vale ressaltar a máxima de Edward Deming: “Só se gerencia o que se mede”.

Teanes Carlos Santos Silva, gestor de Segurança Empresarial.
teanes@transportabrasil.com.br

Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS