Arrecadação de tributos do Brasil passa de R$ 1 trilhão

Arrecadação de tributos do Brasil passa de R$ 1 trilhão

Valor é atingido pelo terceiro ano consecutivo, cerca de 50 dias antes que nos anos anteriores. Principais motivos da inflação são crescimento econômico no País, redução da sonegação fiscal e multi-incidência de impostos

No dia das crianças, eletrônicos apresentam maiores tributos
Arrecadação de tributos terá recordes sucessivos em 2010, segundo IBPT
Desoneração da folha de pagamento das empresas de transporte ficou para 2014

O Impostômetro, ferramenta eletrônica que calcula em tempo real o valor pago em tributos pelos brasileiros a todas as esferas arrecadatórias, chegou a R$ 1 trilhão nesta terça-feira (26), pelo terceiro ano consecutivo, aproximadamente 50 dias antes que nos anos anteriores. Em 2009, a marca foi atingida no dia 14 de dezembro, e em 2008, dia 15 de dezembro.

O coordenador de estudos do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), Gilberto Luiz do Amaral, explica que a arrecadação tributária cresce 14% ao ano nominalmente, e, se excluída a inflação, seu crescimento é próximo de 10%.  Os principais motivos deste aumento são o próprio crescimento econômico do País, a redução da sonegação fiscal por meio da Nota Fiscal Eletrônica, além da forma como os tributos são cobrados no Brasil, a multi-incidência de impostos, chamada de “efeito cascata”.

Até o fim do ano, a arrecadação total está prevista em R$ 1,27 trilhão, um recorde com quase R$ 180 bilhões a mais que em relação ao ano passado. Estima-se que cada brasileiro já tenha gasto aproximadamente R$ 5.207,22 em tributos, e, até o fim do ano, este valor chegue a R$ 6.700,00 por contribuinte.

De acordo com o presidente do IBPT, João Eloi Olenike, a maior parte do valor arrecadado é destinada a folhas de pagamento de salários do funcionalismo público e pagamento de previdência social. “Sobra muito pouco para o governo investir em infraestrutura, isso faz com que, apesar de ter esta arrecadação recorde, nós não tenhamos, do outro lado, uma contrapartida para a população, com serviços públicos de qualidade”, diz Olenike.

Ranking

Um estudo realizado pelo instituto em parceria com a ACSP (Associação Comercial de São Paulo) demonstrou que o tributo de maior arrecadação é o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços), com 21,47% do total, seguido pela contribuição ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), com 16,60%, e, em terceiro lugar, a Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), com 10,93%. Revelou ainda que a média diária de arrecadação totaliza R$ 3,35 bilhões.

No ranking de regiões e estados, o Sudeste aparece em primeiro lugar, com uma concentração de 63,52% da arrecadação. São Paulo é o estado que paga mais impostos, com 38,61% do total, seguido do Rio de Janeiro com 15,22% e Minas Gerais com 7,73%.  Os estados com menor arrecadação são Roraima e Amapá com 0,10% do total, e Acre com 0,12%. A maior arrecadação “per capita” fica por conta do Distrito Federal, com o valor de R$ 20.386,20 por contribuinte, seguido pelo Rio de Janeiro com R$ 9.478,56 e São Paulo com R$ 9.309,18.

Planejamento Tributário

Olenike ainda comentou sobre a dificuldade das empresas em se adequarem à questão tributária no Brasil e afirmou que muitas companhias são obrigadas a fazer planejamentos tributários. “O que estas empresas fazem geralmente é aumentar o preço de venda, para poder ter uma margem de lucro um pouco melhor. Mas muitas delas não conseguem, por causa do seu tamanho e da concorrência, se adequar ao pagamento de tributos, e acabam, infelizmente, indo para o lado da sonegação fiscal, da informalidade e até mesmo da pirataria”, complementa o presidente do IBPT em entrevista à reportagem do Portal Transporta Brasil.

Veja o que pode ser feito com todo esse dinheiro:

COMMENTS