Ferroviários, liguem o trem da educação!

Ferroviários, liguem o trem da educação!

Rodrigo Vilaça reflete obre a importância da qualificação profissional na perspectiva da ANTF

ANTF passa a ser afiliada à Associação das Ferrovias Americanas
Transporte ferroviário de cargas pode crescer 12,5% em dois anos
Rodrigo Vilaça desocupa cargo de presidente-executivo da ANTF

Que serviço mal feito! Não sabe fazer melhor?

Este é o reflexo do que geralmente acontece com pessoas sem qualificação profissional. Difícil encarar estes jargões, mas em um País como o Brasil, onde a educação é deficitária, palavreados e tantas frases como estas, de “incentivo”, são comuns de se ouvir. Falta de oportunidade, reconhecimento zero e, ainda, humilhação. O brasileiro sofre destas infâmias quase todos os dias. E sabem o que podemos fazer? Podemos ajudar!

Como administrador poderia chegar aqui e escrever e escrever e escrever, pensando somente no que ganho trabalhando com pessoas qualificadas. Sem dúvida, muito! Mas, envolvido com o ano eleitoral, quando teremos que, mais uma vez, tentar mudar a realidade de nosso País, me sinto na obrigação de revelar o quão preocupado estou com a questão educação. Sinto-me na obrigação de falar, para todo mundo ouvir, que o setor ferroviário pode sim ajudar!

Ultimamente tenho tido grandes notícias. No dia 25 de agosto, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, divulgou a “Pesquisa Anual de Serviços”, que revelou que o setor de transporte ferroviário no Brasil está em um momento promissor. Segundo o levantamento, em 2008 (ano do estudo), a produtividade média das empresas desta área foi de R$ 153,9 mil – a segunda maior da atividade de transportes. A liderança é do transporte dutoviário (R$ 485 mil).

Sobre a remuneração mensal, as empresas de ferrovias e metrôs ficaram com a terceira maior média, de 18,7 salários mínimos, o que equivale a R$ 3.372,00. Nessa análise, o recorde também foi do segmento de dutos. Em relação à média mensal do pessoal ocupado por empresa, o segmento metro ferroviário se destaca com 1.218 empregados. Em seguida estão os segmentos dutoviário (912); aéreo (183); aquaviário (48); rodoviário de passageiros (26); e rodoviário de cargas (10).

Mas, não adianta comemorarmos, muito menos estagnarmos. A Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários – ANTF ciente de que é preciso mais, realiza, por meio do Comitê de Gente e em parceria com diversas instituições, ações que estimulam a prática educacional com formação profissional. Um exemplo é o Itinerário Nacional de Educação Profissional, uma parceria com o Senai, que é referência em competência e seriedade. Serão cursos de qualificação para operadores ferroviários, maquinistas, técnicos de mecânico e eletricistas de manutenção ferroviária, técnico de mantenedor de via permanente e técnico em transporte sobre trilhos.

Estou certo de que esta década será do Transporte Ferroviário e, concomitantemente a este cenário, será inevitável que o setor promova, em parceria com o governo, políticas públicas visando à Educação Profissional permanente dos trabalhadores. Incentivos não apenas para beneficiar as ferrovias, mas como forma de lutar contra o desemprego, de aumentar as fontes e o nível de renda e de promover a cidadania, pois o trabalho é, constitucionalmente, um direito fundamental dos cidadãos.

A ANTF aposta na construção de cidadãos produtivos como ferramentas indispensáveis, tanto no processo de construção da cidadania, como no processo de adaptação do trabalhador ao novo contexto econômico e, o mais importante, à competitividade inerente da época.

Rodrigo Otaviano Vilaça é diretor Executivo da ANTF

ferrovia@transportabrasil.com.br

Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS