Como vai a saúde do caminhoneiro?

O Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior responde que que não vai muito bem. Segundo seu artigo, os profissionais estão expostos a uma série de distúrbios de saúde

Cultura de Security
ISO 28000 e a Gestão de Segurança Patrimonial
Descanso semanal remunerado na Lei nº 12.1619

O homem é avesso à restrição aos seus hábitos, controle médico, dietas, exames preventivos e tudo que se possa planejar em termos de prevenção no sentido de mantê-lo saudável e, em conseqüência, com boa qualidade de vida. Mas, com todas as dificuldades para a mudança de comportamento, temos a obrigação de conscientizá-lo da real necessidade da prevenção, principalmente quando o vemos submetido a fatores de risco que não temos dúvida que o levarão a doenças, algumas vezes crônicas, evolutivas e incapacitantes. A coisa é grave, precisamos de cuidados, deixar de olhar para isso é permitir o surgimento de problemas.

Dentro de uma cabine, onde trabalha, se alimenta e dorme, sem as condições de higiene necessárias com relação ao sono, à confecção do seu alimento, à eliminação dos despojos, à higiene corporal. Fica sem o lazer, isolado e confinado em ambiente tão restrito e hostil para tal, e mais, submetido às doenças endêmicas e tropicais por onde circula.

As doenças primárias ou pré-existentes como hipertensão arterial, diabetes, distúrbios de colesterol, triglicérides, doenças respiratórias e cardiocirculatórias e muitas outras estão presentes no universo dos nossos motoristas. O acesso ao controle ambulatorial torna-se difícil em função de estar sempre em trânsito e não ter com isso disponibilidade para um agendamento.

As atitudes incorretas que comprometem a saúde como uso de álcool, tabaco, alimentação inadequada, privação do sono, rebite, excesso de horas trabalhadas e outros fatores comprometem e levam ao desequilíbrio orgânico e, consequentemente, a doenças.

Não bastasse tudo isso, outros componentes ocupacionais participam do dia a dia desse trabalhador contribuindo para doenças como as perdas auditivas, zumbido nos ouvidos, dores musculares difusas e localizadas, degeneração da coluna vertebral, varizes de membros inferiores, tendinites, artrites, doenças respiratórias e outras.

A falta de liberdade diante das opressões, bem como essas características de condições subumanas de vida e de trabalho, ainda de absoluto desrespeito à dignidade de uma pessoa, pela imposição de chefias, gerências, tanto do remetente como do destinatário. É pressão de todo lado, é o martírio do nosso motorista rodoviário, caminhoneiro e carreteiro.

É a saúde física, mental e social comprometida. Lembramos que saúde é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o bem estar físico, mental e social o que não vemos nessa atividade.

Concluímos que nossos caminhoneiros e carreteiros não gozam de plena saúde e não sabemos como resistem a tanto sacrifício. Múltiplos fatores de risco caracterizados principalmente pelo ruído, vibração, variações térmicas, gases, vapores, fuligem, trabalho repetitivo, exposição a microorganismos, produtos químicos, acidentes, estresse psicológico e social tudo formando uma malha fina envolvendo o homem.  Necessitamos de critérios ou protocolos para ultrapassarmos essa malha fina buscando permanentemente a melhor qualidade de vida no trabalho.

A saúde é o elemento essencial na direção veicular.

Dr. Dirceu Rodrigues Alves Júnior, médico, diretor da ABRAMET (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – www.abramet.org.br)
drdirceu@transportabrasil.com.br

Visite o perfil do articulista

É proibida a reprodução do conteúdo deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do Portal Transporta Brasil. As opiniões emitidas nos artigos são de inteira responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião do Portal Transporta Brasil.

COMMENTS